Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Facebook-7-tecnicas-para-escrever-os-melhores-post

 

Ao ler o título, a minha primeira impressão é a de que na palavra «tenho de» se retira uma obrigação. Por acaso, já me perguntei se «tenho de ler» e cheguei à conclusão que sim, pois é a ler que me conheço, é a ler que encontro as maravilhas musicais na conjugação das palavras, e é a ler que os pensamentos fluem constantemente entre as sinapses abandonadas pelas obrigações do trabalho e da rotina do dia-a-dia. Porém, hoje, enchi o peito de corajoso ar e expirei a vontade necessária para me preparar para esta pergunta difícil.

 

Ao desafio da Catarina Duarte do blogue (In)sensatez, respondo de forma imediata: «tenho de» escrever porque sim. [Claro que já estou de nervos em franja e a pensar em como seria melhor não pensar no assunto, até porque ninguém me pediu nada nem eu quero incomodar as pessoas quando ainda estou a dar pequenos passinhos de criança no que à escrita diz respeito].

 

No meu pensamento, surgiu um monólogo interior que troca impressões.

É muito estranho. Ora leiam:

 

Tenho de escrever, então?

Ah, pois, tenho de escrever porque senão não sabem a «resposta».

 

E faz sentido escrever e colocar por escrito os pensamentos que vivem fechados?

Sim, muito. Há o perigo de curto circuito no cérebro assim sobrecarregado.

 

Quando começaste a escrever?

Não me lembro do momento exato em que comecei a escrever estórias, mas recordo-me de as contar usando a minha imaginação. No sotão da minha infância tudo aparecia misturado, magia, princesas, tesouros escondidos, mistérios por desvendar e fantasmas. Tinha muito medo de fantasmas e dos quarenta ladrões de Ali baba!

 

Escrever afasta o medo, sentimentos e emoções?

Não creio. Acho que os ajuda a expulsar ou minimizar, dimuindo a sua intensidade. Colocar por palavras ajuda a clarificar as ideias e a colocar sob outra perspetiva algo que não vimos ou não refletimos.

 

É preciso ter imaginação para escrever?

Sem sombra de dúvida. Imaginação, criatividade e muita persistência, porque só a vontade não é suficiente. 

 

Achas que consegues escrever sempre que te apetece?

Quase sempre. Basta estar em silêncio. Sucede, porém, que o comando cerebral nem sempre tem pilhas e às vezes não dá. É normal e é aqui que entra a persistência. Nunca podemos desistir.

 

 

Este brainstorm interior levou-me à conclusão mais brilhante à face das terras lusitanas e que é esta:

Ao «tenho de escrever» acrescento o «sim» que, tal como num casamento, são os votos apropriados para quem quer ter a vida de escritor, e atendendo a que escrevo para me divertir acho que vou prolongar a fase do namoro por mais uns anos.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pablo Neruda.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Oscar Wilde.jpg

 

 Boas leituras e um bom fim-de-semana!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lucy Montgomery.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

josé régio.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

frases-exemplo.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

frases-fernando pessoa.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

frases kardek 3.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

depositphotos_17371233-stock-photo-thinking-women.

 

Pensamentos são como histórias que fogem entre os dedos. O difícil é ordenar e disciplinar tudo o que pensamos e sentimos. Mas o problema maior é o de saber gerir o tempo com alguma lucidez.

Augusto Cury fala-nos em "Síndrome do pensamento acelerado", da ansiedade e da falta de tempo para nos ouvirmos a nós próprios. Devemos reter bem esta informação e, porém, duvidar sempre, pois questionar só perturba as emoções de quem é "um escravo programado".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

motivacao_3.jpg

Os meus livros dizem-me para ler e deixar de escrever aqui no blogue. Eles são muito ciosos da sua importância e nada os pode perturbar. Certamente será uma fase, porque, às vezes, os meus livros são bipolares. Se num dia pedem-me "lê um romance", noutro ordenam "folheia uma aventura". Pois, são assim os meus livros, um pouco caprichosos, sempre a chamar à atenção dos meus deveres enquanto leitora. Lembram-me constantemente todas as horas passadas na sua companhia (e olhem que lhes perdi a conta!!!). Todos os dias penso no blogue mas continuo a falhar. Acho que sou péssima a gerir o tempo e gostava de mais. Sabe-me a pouco o que escrevo e a muito o que é escrito pelos outros. Eu oiço-os ao virar das páginas e admiro toda a originalidade, sensibilidade e imaginação. Perco tempo sim. Perco tempo nas leituras, mas sou feliz e esqueço tudo o resto. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor



Arquivo



Mensagens