Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



voar no quarto escuro.JPG

«Sou eu a minha prisão, agora. Até acordar cercada por grades, algures.»
Eduarda apenas sonhara em refazer a sua vida após a morte do marido, que a deixou sozinha no mundo com uma filha adolescente. Não desconfiou que essa nova casa, com um novo companheiro, a conduziria a uma vida de violência, destinada ao esquecimento. Anos de submissão encaminham-na para uma noite de tempestade.
Este é o momento em que as paisagens tão dissonantes da vida de seis mulheres se entrelaçam de uma forma inegável, numa demanda pelo significado da vida. Mães, filhas, amigas, amantes, casas devastadas pela dúvida e pela loucura - todas obrigadas a enfrentar o medo de voar no quarto escuro.

OPINIÃO:
No dia 5 de outubro de 2019, no 2.º Encontro de Booktubers, realizado na Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira em Leiria, tive a oportunidade de ver e ouvir a Márcia Balsas quando assisti à apresentação do livro "Voar sobre o quarto escuro". Recordo-me de ela contar como surgiu a ideia para escrever uma história com personagens ficcionadas, as quais existiam apenas na sua cabeça, cujas vivências e dilemas poderiam ser reais.

Durante o mês de junho, com o projeto "On the Road" da  Ana Paula Catarino, da Cristina Luis e da Silvéria Miranda, o livro chegou cá a casa e tive a possibilidade de confirmar aquelas palavras da Márcia e, claro, de conhecer melhor a escrita dela. Gostei especialmente de algumas passagens:

"Chove. Caminha com cautela por causa do chão escorregadio. Tem medo de cair, mas não pode ficar mais magoada. A ironia é quase cómica, não fosse as dores provocadas pelo riso".

"Seca uma lágrima saudosa do falecido, «era de boas contas, não falhava», e fica a matutar nas injustiças da vida enquanto tira os copos da máquina, já secos, prontos para mais uma rodada".

"«Nunca» é outra palavra curiosa, usada tantas vezes de modo leviano, sem percepção do seu sentido limite. Talvez por não haver sentido no fim, porque quando se chega lá, ao fim, não se tem essa consciência. Depois do fim, nada".

Neste livro, existem oito personagens femininas e cada uma vivencia uma situação de: violência doméstica, desespero, solidão, sexualidade, depressão e até suicídio. São tudo temas atuais , pertinentes mas muito difíceis de abordar. Assim, pese embora tenha gostado da escrita e da forma como as personagens vão surgindo, achei que a leitura de tantos problemas ao mesmo tempo me transmitiu um peso, um fardo e uma falta de esperança. Para explicar melhor, talvez consiga fazê-lo utilizando uma linguagem metafórica, uma vez que durante a leitura senti como se ouvisse um fado com letra muito bonita e com uma música muito triste. Não obstante, as minhas impressões foram boas ao nível da escrita e gostei muito de ter ficado a conhecer o primeiro romance da Márcia.







Instagram