Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Terra-de-Neve.jpg

 

Opinião: Terra de Neve é daqueles livros em que olhamos para a capa e achamos que não é nada apelativa (a capa da fotografia é bem melhor do que a edição que li da Biblioteca Sábado). Depois o tema - sobre gueixas, tradições e paisagens do Japão - não incentiva. Eu, contra mim falo, não me apetecia nada ler este livro, mas tive de o fazer. Em janeiro, deste ano, escolhi-o por ser pequeno e para cumpir o tema de ler um livro escrito por um autor asiático para o clube de leitura conversas livrásticas. Náo sei se sabem, mas Terra de Neve é muito conhecido porque o escritor ganhou o prémio Nobel em 1968. 

 

Quando comecei a ler o primeiro capítulo, fiquei admirada com a capacidade descritiva do autor. A forma como descreve o simples reflexo de uma mulher no vidro da carruagem do comboio é sublime. Uma coisa que julgamos banal transforma-se. Somos nós que estamos ali e conseguimos ver a imagem de uma mulher jovem, bonita e misteriosa. Nesta passagem senti que estava lá, tal a quantidade de detalhes que vão sendo dados para descrever as personagens.

 

O nosso Eça de Queirós fazia descrições minuciosas dos objetos e dos lugares, mas as descrições de Kawabata resultam, a meu ver, melhor, criando um ar de mistério e de reflexão. No entanto, em termos de desenvolvimento da história e dos personagens o nosso Eça vence sem margem de dúvida. 

 

Terra de Neve é a história de Shimamura, um homem de Tóquio, casado, que conhece a geisha Komako numa viagem ao interior norte Japonês. Ano após ano, durante três anos, visita a região da montanha para descansar nas termas e encontrar-se com Komako. A relação deles é de suposta amizade. Cada um está preso ao seu papel. Cada um possui sentimentos e expetativas diferentes.

 

Terra de Neve é uma leitura difícil, dizem, mas o que me desencantou foi o facto de Yoko (a jovem do reflexo no comboio) não ter um outro desenvolvimento. Esperei mais. 

 

 Classificação:

Livros em Gifs e Png (38) (1).gif

3 estrelas.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

250_9789722120951_os_livros_devoram_meu_pai.jpg

 

Sinopse: aqui.

Opinião: Encontrando-me eu num “mundo entediante, chato, plano aborrecido, cheio de papéis, papeladas e outras burocracias…”, sinto que a ideia mágica de viver nos livros é a melhor de todas. Mas vamos primeiro a um breve resumo da história.

 

Neste pequeno conto, Afonso Cruz exibe uma escrita simples e ao mesmo tempo plena de significados na enternecedora história de Elias Bonfim, um jovem de 12 anos, que perdeu o pai, supostamente de um ataque cardíaco. Porém, Elias desconfia que o pai ficou preso num dos livros e que irá encontrá-lo. Depois de obter a  autorização da sua avó, Elias vai à biblioteca no sótão e permandece tardes inteiras embrenhado na leitura. Ele lê e segue as pistas nas anotações que o pai foi fazendo. 

 

Sabia que ali dentro, naquele sótão, estava tudo cheio de letras a fingirem-se de mortas, mas - sei muito bem- basta que passemos os olhos por elas para saltarem cheias de vida. 

 

Livro após livro cruzam-se histórias, reais e fictícias, e personagens onde todos se conhecem. Aqui somos agarrados pela ideia de que vivemos nos livros e tanto podemos visitar a A Ilha do Doutor Moreau de H. G. Wells, Fahrenheit 451 de Ray Bradbury, Crime e Castigo de Fiodor Dostoyevsky ou O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde de Robert Louis Stevenson. 

 

Há inúmeros lugares onde um ser humano se pode perder, mas não há nenhum tão complexo como uma biblioteca. Mesmo um livro solitário é um local capaz de nos fazer errar, capaz de nos fazer perder. Era nisto que eu pensava enquanto me sentava no sótão entre tantos livros.

 

 

A realidade e a ficção podem ser as melhores aliadas e é por isso que quando um livro termina sentimos um certo desapontamento. Queremos mais.E quando damos por ela estamos a reler o livro que acabamos na expetativa de prolongar o sentimento de bem estar. Passamos a pertencer à história e quase somos devorados por ela. 

 

Afonso Cruz é um homem feito de histórias e cativa-nos através das palavras.

Que pena que este livro não tenha tido outro desenvolvimento! 

 

 

Classificação: 4/5

 

 

 

Para quem quiser ouvir o escritor:

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

uma abelha na chuva.jpg

Sinopse: aqui.

Opinião: Este livro é daqueles em que "primeiro estranha-se, depois entranha-se" . Acho que não estava à espera que uma história, que decorre no Portugal provinciano, pudesse revelar particularidades divertidas versus uma história estranhamente cruel. Eu explico. Achei divertidas algumas expressões, como "Se as orações dos cães chegassem aos céus choviam ossos", "noiva serôdia, nem miolo nem côdea" ou, ainda, "burro morto, cevada ao rabo". Mas também achei a história cruel, porém,não posso divulgar mais pormenores, sob pena de conter spoilers, estragar a surpresa, ou contar a história toda, Whatever!

O primeiro capítulo começa por descrever o ambiente escuro, que ameaça chuva, e um homem que vai ao café e pede um brandy e bebe tudo de uma só vez. Não sabemos mais nada. É o mês de outubro, o tempo é invernoso e o homem aparece, entra no café, bebe três copos a penalty e sai. Tudo pausadamente. Percebi no capítulo a seguir que era para descrever Álvaro Silvestre e que este estava a tomar coragem para entrar no Jornal da terra (Montouro, em Cantanhede). O que Silvestre prentende é ver a sua confissão de culpa publicada no jornal da terra para que todos saibam que tem uma mulher que o obriga a desviar dinheiro ou a roubar.

No capítulo seguinte, surge a D. Maria dos Prazeres que veio à procura do marido. Entretanto, na charrete, ela reflete sobre o seu casamento infeliz  (ela, fidalga, foi obrigada a casar com Álvaro Silvestre, um lavrador "boçal" e "rico"). Permeando os seus pensamentos de "sangue por dinheiro", Maria dos Prazeres (uma ironia?) observa o cocheiro, Jacinto.

A leitura das 132 páginas deste livro foi demasiado rápida, pelo que tive de voltar a ler segunda vez. O significado das palavras que nos preparam para as cenas seguintes não é apreendido de imediato. Álvaro, que gera simpatia, torna-se odioso e Maria dos Prazeres, altiva e fidalga, não é o que parece. Já Jacinto e Clara, que se amam, que simbolizam o amor verdadeiro, são a antítese, um casal que se atreve a sonhar, neste ambiente de infelicidade, pautado pelos interesses económicos, e de onde nada pode surgir de bom.

A acção decorre em três dias durante o mês de outubro. Chove imenso e o tempo é "invernoso".  Fiquei triste como o tempo. Pensei. Pesquisei. No fundo, não queria acreditar que um livro tão pequeno podesse dizer tanto.

Deixo-vos o link do excerto do filme de Fernando Lopes (1968-1971), o qual demonstra o casamento infeliz de D. Maria dos Prazeres Pessoa de Alva Sancho Silvestre:https://www.youtube.com/watch?v=pqsxxusO-ms.

 

 Classificação: 5/5 - Adorei

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comer-e-Amar-em-Paris.jpg

Sinopse: aqui.

Opinião: A escolha de tema para leitura durante o mês de agosto, para o Clube de Leitura Conversas Livrásticas, recaiu sobre "um livro com cheiro". Houve quem dissesse: pode cheirar a bolor? É um cheiro, não é?  Por acaso, achei graça ao comentário, mas, na verdade, o papel sorteado foi escrito por mim e lembro-me que quando escrevi esse tema pensei logo em "Julie & Júlia". Adorei o filme e a interpretação da Meryl Streep (Alguém já viu o filme?).

Essa era a ideia inicial, mas acabei por ler "Comer e amar em Paris", uma história de amor com receitas. O que é que me atraiu neste livro? Um dois em um: uma história de amor real e as receitas de culinária. Ainda por cima tudo se passa em Paris!

De facto, tem todos os "ingredientes para ser uma boa história" e dá para sentir uma certa inveja da Elisabeth a passear pelos mercados de Paris. Senti na imaginação os sabores e cheiros das ervas aromáticas, da canela e, oh-la-la, da comida!

O conceito é interessante e apreciei ler as receitas e a história de Elisabeth e Gwendal, ela americana e ele francês, e como se conheceram, o que comeram e, depois, quando casaram. 

"Tudo regado com molho de vieiras e champanhe, muito gengibre, e, claro, no final, uma sobremesa de soufflé de chocolate",  é como quem diz, o livro tem muito mais para mal dos leitores que pretendem manter a dieta. Portanto, se é o vosso caso, é melhor fazerem como eu, serem fortes e manterem o pensamento focado (só que não!).

Dito isto, as inevitáveis comparações com o "Julie & Júlia", com as suas 365 receitas (uma por dia durante um ano), fizeram-me pensar num concurso de talentos culinários, em que "Comer e amar em Paris" receberia uma nota menos favorável.

Classificação: 3/5.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Crime e Castigo.jpg

Um livro que começa com um crime e em que estamos na mente de quem o vai cometer?! Sim, é isso mesmo. Esta foi a minha estreia com os clássicos russos (falha minha, eu sei, mas mais vale tarde do que nunca) e eu adorei a história, as personagens e o final. Foi tão bom voltar a ler um livro cuja história é tão, mas tão envolvente! Mas, uma vez que a pressa é inimiga da perfeição, quando fechei o livro fiquei plenamente convencida de que o terei de reler de forma a saborear cada frase e a tentar interpretar mais profundamente esse grande livro da literatura. Não me julguem. Sei que há aqui um "mix" de filosofia, psicologia, criminologia e de crítica social, que, na minha modesta opinião, teria de ser visto com outros olhos. Debruçei-me mais na psicologia, na culpa e na consciência do criminoso. No fundo, tentei entender Raskolnikoff e a sua teoria dos homens comuns e extraordinários. Para os homens comuns foi criada a lei. Para os extraordinários, como Raskolnikoff [e Napoleão], que estão acima da lei, um crime tem justificação quando a morte de um beneficia todos.

Dostoieveski leva-nos a questionar o bem e o mal,  o que é certo e errado, e descreve com minúcia a natureza, o sofrimento e a miséria humana.

 

Estamos na presença de um caso fantástico e muito sombrio; este crime tem a marca do nosso tempo, o cunho da nossa época, em que o coração do homem está torturado, em que se diz que o sangue "remoça", em que toda a vida se cifra na luta pelo bem-estar. O culpado é um homem de teorias, uma vítima dos livros (...).

 

Sinopse:Raskolnikoff, um jovem estudante de Direito a atravessar graves dificuldades económicas, decide matar uma velha agiota. Imbuído de um forte sentido de justiça social, vai executar o seu plano convicto de que é uma gesta digna apenas de homens extraordinários. Mas algo inesperado acontece, e Raskolnikoff acaba por perder totalmente o controlo da situação. Daí em diante, passará a viver atormentado por um fortíssimo sentimento de culpa, forma de inferno interior que não se extingue e exige expiação. Dostoievski imprime grande espessura e densidade psicológica às suas personagens, cujas motivações, sejam elas conscientes ou inconscientes, são exploradas de forma verdadeiramente inovadora. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

história de uma gaivota.jpg

Antes que pensem que ando obcecada com gatos, relembro que pertenço a dois Clubes de Leitura e, para o Clube de Leitura Conversas Livrásticas, no mês de fevereiro o tema foi: animais. Eu selecionei apenas dois livros pequenos, este, o do Gato Malhado, e o conto de Edgar Allan Poe (aqui).

A história da gaivota e do gato é, além de uma fábula, uma linda lição, uma vez que dois seres tão diferentes são unidos na amizade por uma promessa. Ao mesmo tempo a história aborda um assunto sério que é o da poluição. 

Zorbas, um gato grande, preto e gordo, mora numa casa perto do porto de Hamburgo. Numas férias, Zorbas fica em casa, sozinho, e quando estava a apanhar sol na varanda, cai ali, mesmo à sua frente, uma gaivota moribunda. Esta, foi apanhada pela maré negra, e antes de morrer, põe um ovo e faz três pedidos ao grande gato. Zorbas, que é um gato de palavra, cumprirá as suas promessas: não comer o ovo, tomar conta da gaivota, e ensiná-la a voar. Para isso terá a ajuda dos seus amigos Secretário, Sabetudo, Barlavento e Collonello.

Gostei muito desta história, porque ensina a importância da amizade e das promessas, e porque tem momentos divertidos, nomeadamente, com o gato Collonello que costuma miar palavras em italiano e queixar-se dos outros tirarem os miados da sua boca.

Posto isto, fiquei muito surpreendida quando encontrei expressões que me fizeram lembrar as "Línguas-de-gato" e eu nem conhecia o livro!

Miar a língua dos humanos é tabu. Assim rezava a lei dos gatos, e não porque eles tivessem interesse em comunicar com os humanos. O grande risco estava na resposta que os humanos dariam. Que fariam com um gato falante? Com toda a certeza iriam encerrá-lo numa jaula para o submeterem a toda a espécie de provas estúpidas, porque os humanos são geralmente incapazes de aceitar que um ser diferente deles os entenda e trate de se dar a entender (pág.113).

 

Sinopse: Esta é a história de Zorbas, uma gato grande, preto e gordo. Um dia, uma formosa gaivota apanhada por uma maré negra de petróleo deixa ao cuidado dele, momentos antes de morrer, o ovo que acabara de pôr.

Zorbas, que é um gato de palavra, cumprirá as duas promessas que nesse momento dramático lhe é obrigado a fazer: não só criará a pequena gaivota, como também a ensinará a voar. Tudo isto com a ajuda dos seus amigos Secretário, Sabetudo, Barlavento e Colonello, dado que, como se verá, a tarefa não é fácil, sobretudo para um bando de gatos mais habituados a fazer frente à vida dura de um porto como o de Hamburgo do que a fazer de pais de uma cria de gaivota…
Com a graça de uma fábula e a força de uma parábola, Luis Sepúlveda oferece-nos neste seu livro já clássico uma mensagem de esperança de altíssimo valor literário e poético.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Arquivo



Mensagens