Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




melhores de 2018.jpg

Pensei neste post para o mês de janeiro, no entanto, já iniciamos o mês de fevereiro e fico parva como o tempo voa rápido e sem pestanejar! O facto de ser um post tardio só vem dar razão ao velho ditado "mais vale tarde do que nunca". Pessoalmente, considero que é uma retrospetiva necessária para que fique um registo no blog e não num Bullet Journal ou numa agenda qualquer.

 

Por essa ordem de ideias deveria falar de todos os livros que li em 2018, mas não, não o vou fazer, porque, a meu ver, seria um post extenso e maçador. Porém, quero deixar apenas uma nota relativamente aos que não vou mencionar e que dei 4 estrelas. Enquanto leitora estou cada vez mais exigente e quero sempre mais. Quero um final diferente. Quero que o livro não seja um calhamaço. Quero ainda que a história me surpreenda e ensine coisas novas. No fundo, aos livros de 4 estrelas, faltou-lhes um bocadinho «assim»  tão pequeno que se calhar a culpa é minha e não dos livros. 

 

Voltando ao assunto inicial, tenho de admitir que li muitos bons livros no ano de 2018. Foi um ano de constante viagem, no tempo, que voou, nas palavras e na companhia de diferentes escritores. Emergi tanto na leitura que ela absorveu-me por completo e roubou-me as palavras que deveria dedicar ao blog. São uns invejosos, os livros!!!

 

Posto isto, a razão por detrás desta escolha, para melhores do ano 2018, prende-se com a necessidade de optar por aqueles que me tocaram, pelos que me deixaram a pensar e, sobretudo, pelos que considero que valem mesmo a pena ser lidos.

 

ASSIM:

- Com "O Tigre Branco" conheci a Índia corrupta e o contraste entre os muito ricos e muito pobres. Não há um meio termo. As cartas então são deliciosas, numa ironia crua e realista;

- Na "Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata", os personagens, tal como eu, adoram ler e falar de livros. Em Dawsey, uma ilha em França,  reina a destruição e a fome, após a Segunda Grande Guerra. E novamente as cartas foram o deleite neste leitura;

- "A História de Uma serva", é uma distopia e aborda um tema delicado das barrigas de aluguer. A raça humana poderá estar em perigo e este livro demonstra-o bem. Uma lição ou uma mensagem? Não sabemos, mas está muito próximo da realidade;

- Já com "O Homem Chamado Ove", o velhote, intratável, irascível e insuportável, podemos aprender a tolerar ou a odiar a velhice. Cabe a cada um decidir. O que é correto pensar acerca deste livro é que a solidão dos idosos é cada vez mais preocupante;

- O "Frankestein" é um livro de leitura obrigatória. O monstro que é criado pelo homem tem sentimentos, mas o desprezo e a solidão transformam a sua natureza boa em algo diabólico. Acho que o papel de Deus na mão do homem tem de ter limites;

- "À Espera no Centeio" é sobre o jovem Holden, na adolescência, com a sua rebeldia. Uma fase pela qual todos passamos, com as suas dores, incertezas e injustiças. 

- "O meu ano mágico", não é para qualquer um, pelo menos no que à disponibilidade diz respeito, em particular, no nosso país. Não fosse a morte de alguém próximo da escritora,  queria muito ler um livro todos os dias durante 365 dias. Acho que seria o sonho de qualquer livrólico.

- "O rouxinol" causa graves alergias oculares acompanhadas de choro intenso. Deveria, por isso, vir acompanhado de "bolinha"  no canto superior do livro, em forma de aviso para os leitores mais sensíveis. O que torna interessante esta história, além da capacidade de escrita da autora, é o papel das mulheres, especialmente as que colaboraram com a Resistência Francesa durante a Segunda Grande Guerra;

- "A quinta dos animais" é uma fábula com animais que dá que pensar e que representa a sociedade, bem como os políticos na  sua constante sede de poder obtido a qualquer custo. O povo é que sofre;

- "Verónica decide morrer", ironicamente, consta da lista dos 1001 livros para ler antes de morrer. A depressão e o suicídio são um problema muito atual, entre jovens e não só;

- "Ensina-me a voar sobre os telhados" é sobre voar ou sobre um sonho impossível (ou sobre a loucura, a meu ver). Quer seja a levitar no Japão ou com os pés assentes em Lisboa,  a descoberta de um sentido para a vida é algo que faz parte do ser humano;

- "O fogo será a tua casa" possui o encanto da escrita que eu mais aprecio e que, com pena minha, é difícil de aprender porque é um dom com que se nasce. Já os personagens, diferentes e caricatos, comportam-se como se seguissem um guião pré-determinado que os leva a contar a sua vida no covil dos fundamentalistas islâmicos. [Por vezes, ia jurar que estava enganada no local onde se encontravam os personagens, que tudo se passava num bar e que começaria com a anedota da freira, do jornalista turco e do americano]; 

-"Help me!", bem que poderia ser o meu pedido, depois deste longo post. Neste livro, a autora irá colocar na prática os ensinamentos dos livros de autoajuda, o que a coloca em situações embaraçosas, hilariantes e complicadas. Não me imagino a saltar de paraquedas só porque sim, pelo que o perigoso não são as ideias mas a forma como as colocamos em ação.

 

 


16 comentários

Imagem de perfil

De imsilva a 06.02.2019 às 10:10

Sendo eu uma leitora compulsiva, tenho tido umas dúvidas existenciais, precisamente com esta necessidade de lermos. Como aquilo que preciso de dizer torna-se muito extenso, vou fazer uma publicação sobre o assunto.Se o puder ler agradecia depois o comentário. 
Imagem de perfil

De Edite a 06.02.2019 às 19:25

 Irei ver o post, claro.
Sem imagem de perfil

De Bárbara Ferreira a 06.02.2019 às 12:14

Belas leituras! O do Salinger é um dos meus favoritos de sempre.
Imagem de perfil

De Edite a 06.02.2019 às 19:24

Obrigada! Gostei também desse.
Beijinhos
Imagem de perfil

De HD a 06.02.2019 às 21:07

Eleges os melhores, eu conto pelos dedos das mãos os que consegui ler :-)
Imagem de perfil

De Edite a 07.02.2019 às 18:22

Não faz mal, o que importa é que leias. Poucos e bons, certo?
Imagem de perfil

De sweet a 08.02.2019 às 09:34

Muito boas sugestões! Dos que mencionas adoro o do Salinger e A quinta dos animais :) 
Imagem de perfil

De Edite a 09.02.2019 às 19:30

Ainda bem que gostaste das sugestões.

Os outros são igualmente bons; cada um à sua maneira, claro!


Imagem de perfil

De A rapariga do autocarro a 08.02.2019 às 09:47

Ora desses, li A quinta dos animais, Frankestein e Verónica decide morrer, mas ainda tenho ali para ler O tigre branco, este ano tenho que acabar com a estante das lamentações, não posso continuar a comprar livros
Imagem de perfil

De Edite a 09.02.2019 às 19:27

O Tigre Branco lê-se numa tarde 
A estante das lamentações cá de casa está sempre a aumentar. Eu bem que gostaria de comprar menos, mas ainda hoje fui à feira de velharias e... trouxe, por 10 €, os dois livros que me faltavam da série Cemitério dos Livros Esquecidos, do Zafón. 
Portanto, neste momento,  tenho os 4 livros do Zafón para ler e mais uns quantos, que não sei quantos são, porque deixei de os contar 
Imagem de perfil

De A rapariga do autocarro a 11.02.2019 às 09:15

Acabar séries é sempre uma boa desculpa, tenho os últimos de Outlander para comprar, e ir a feiras de velharias é o remédio santo para me desgraçar também.
Imagem de perfil

De Edite a 12.02.2019 às 09:01

Também tenho os do Outlander, mas confesso que li o primeiro, fiquei entusiasmada e quando comecei a ler o segundo tive de desistir. Portanto, tenho 3 calhamaços na estante, mas não me parece que vá acabar a série. A autora escreve bem mas certas partes tornam-se cansativas. Já leste?

Já os do Zafón consegui encontrar a série toda a 5 euros cada um. Li A Sombra do Vento assim que saiu (vou ter de ler novamente) e adorei. Fiquei muito contente de conseguir todos por esse preço


 Este mês quero ler esta série e para o mês que vem a da Elena Ferrante, para que a minha estante da vergonha diminua um bocadinho.


Imagem de perfil

De A rapariga do autocarro a 12.02.2019 às 09:55

Para mim o Segundo de Outlander também foi o mais "maçudo, mas os outros a seguir são mais "leves" entretanto falta-me ler Um sopro de Neves e Cinza que é o último editado por cá (2 volumes). Do Zafón, entre emprestados e oferecidos lá fui lendo! 
Imagem de perfil

De Edite a 13.02.2019 às 21:06

Não há nenhum leve, porque são grandes calhamaços
Mas também já tinha lido essa opinião quanto ao segundo livro ser mais maçudo. Um dia destes talvez dê uma nova oportunidade...
Imagem de perfil

De A Portuguese On Tour a 09.02.2019 às 21:24

Este post inspirou-me para criar um semelhante no meu blog. Gosto tanto de ler e nunca este tema me passou pela cabeça! Em relação aos livros, convenceu-me a experimentar “O Homem chamado Ove”
Imagem de perfil

De Edite a 10.02.2019 às 15:39

Obrigada. Espero continuar a inspirar

Comentar post








Instagram