Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




20200523_111817.jpg

SINOPSE: aqui.
 

OPINIÃO: Este livro é o segundo livro do autor. Eu nunca tinha lido nada dele anterirmente mas, tratando-se de um policial/thriller, parti para a sua leitura com um certo espírito detetivesco. Embora sabendo que este livro é a continuação do primeiro, “O dia em que perdemos a cabeça”, e que possui alguns elos de ligação com este, creio que o livro pode ser lido em separado sem que isso afete o interesse em acompanhar uma investigação criminal como esta (confesso que gosto particularmente de policiais).

Em 14 de dezembro de 2014, uma jovem mulher aparece, numa rua de Nova Iorque, uma jovem nua e suja. A polícia leva a jovem  para o escritório do FBI e esta traz consigo umas notas amareladas com nomes. O inspetor Bowring e o seu assistente irão investigar o caso e logo surge uma ligação a uma mulher que surge decapitada num campo.

Esta mulher é estranha e chama logo à atenção quando profere frases enigmáticas como: "Odeio vestidos de flores,, inspetor Bowring especialmente em Dezembro, por causa do frio do Inverno" e"As coincidências não são mais do que o destino disfarçado de inocência".

Apesar de me sentir um pouco perdida no início, dado os saltos temporais, mudança entre personagens e de histórias, continuei agarrada ao livro à espera de descobrir em que fase a história se iria interligar - o que acabou por vir a acontecer. O que gostei mais e realmente me prendeu atenção foi o mistério nebuloso e um certo misticismo por detrás da personagem Carla.

Apesar de a história ter sido, para mim, previsível, no final o autor conseguiu surpreender-me. Outro aspeto positivo é a sua escrita leve, o que contribui para uma leitura rápida em que não damos conta do tempo passar.

Gostei muito e espero ler mais deste autor.

 

CLASSIFICAÇÃO: 4/5*

oferta da editora para opinião 








Instagram