Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

972290776X.JPG

Sinopse: aqui.

 

Opinião: Jeanne Kalogridis nasceu em 1954 na Florida, nos EUA. É conhecida pelos vários romances históricos e fantásticos.  A autora costuma escrever, também, sob o pseudónimo J. M. Dillard e das suas obras mais conhecidas destacam-se a série Star Trek e o Fugitivo (https://en.wikipedia.org/wiki/Jeanne_Kalogridis).

 

Quando resolvi trazer este livro da biblioteca não fazia ideia nenhuma sobre quem era a escritora nem sobre se o livro era bom ou não. Lembro-me de ter pensado que a capa era familiar e que o assunto parecia ser interessante ou não fosse sobre a família Bórgia conhecida pelas atrocidades e escândalos sexuais. Quem nunca ouviu falar no nome de Lucrécia Bórgia? Eu já e pelos piores motivos, claro.

 

Resumindo, a história passa-se no século XV. Sancha de Aragão casa com Jofre, um dos dos membros da família Bórgia. Ela é a personagem central da história, pelo que a narrativa é feita sob a sua perspetiva. Quando chega a Roma conhece Rodrigo (o Papa Alexandre VI), César, Juan e Lucrécia.

 

Tanta crueldade junta até parece mentira, no entanto, Kalogridis apresenta-nos o "terror Bórgia" e descreve-o ao mais ínfimo pormenor desde o incesto, adultério, assassínio, envenenamento, violação, etc. Nada os detém. 

Quanto às mulheres neste enredo, Sancha e Lucrécia, são ambas interessantes e completamente diferentes, porque enquanto uma é vítima dos homens a outra serve-se deles para atingir os seus objetivos. 

 

A narrativa prende, mas a história desta família é tão terrível que acho que não vai sair tão depressa da minha memória. Gostaria de ter gostado mais, mas, na minha opinião, o Papa deveria ser um representante do bem e não ser mau e depravado. Isto é tão válido para essa época como na atualidade, pelo que certo tipo de situações relacionadas com a Igreja continuam a ser vistas com o meu total desagrado.

 

Posto isto, aconselho a leitura para quem goste de ação, emoções fortes e de "vivenciar" certos factos da história, embora em parte ficionados pela escritora.

 
Classificação: 3/5


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 29.11.2017 às 23:05

Olá, boa noite.
Poderá haver imprecisões minhas porque tudo quanto sei sobre os Bórgias foi através de leituras na minha juventude, há mais de sessenta anos. Não consultei fontes fidedignas que hoje, quem quiser, poderá consultar.
Sei que casou aos treze anos num casamento arranjado por conveniência paternal, depois do pai ter rasgado um anterior contrato matrimonial.
Morreu aos trinta e nove anos num parto complicado do seu oitavo filho, mas já acusava uma saúde completamente arruinada por muitos abortos devidos as gravidezes provocadas tanto pelo pai como pelo irmão, e de alguns outros para quem a libidinagem desses dois a arrastavam.
 Portanto li isso na minha juventude, li sobre os Bórgias e o que foi o papado de terror e devassidão de Alexandre Vl, assim como li sobre outras personagens bem sinistras de Espanha, França e Inglaterra, mas li apenas por gostar de ler história, literatura que sempre me fascinou.
Essa escritora, naturalmente descreve-la-á, como disse, usando o seu privilégio de narradora dando-lhe o seu cunho pessoal, privilégio que todos os grandes historiadores sempre utilizaram nas suas narrativas históricas.
Desejo-lhe um excelente resto de noite.

 
Imagem de perfil

De Edite a 30.11.2017 às 08:53

Muito obrigada. Fiquei a saber muito mais sobre a Lucrécia Bórgia, o que é enriquecedor.



Imagem de perfil

De Corvo a 30.11.2017 às 09:42

Bom dia; Edite.
Só para dizer que o anónimo de cima sou eu, que lamentavelmente esqueci de me registar
As minhas desculpas.
Um excelente dia para si.
Imagem de perfil

De Edite a 30.11.2017 às 10:11

Eu percebi. Um excelente dia para si também:)

Comentar post






Mensagens