Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




cidade de mulheres.JPG

SINOPSE: aqui.
OPINIÃO: Depois de ter lido o livro "A Marca de Todas as Coisas" fiquei com boa impressão da escrita desta autora e convencida de que ela sabe retratar bem personagens femininas. Com base nesta experiência de leitura assumo que as minhas expetativas relativamente "A cidade das mulheres" eram elevadas, no entanto Gilbert veio provar a minha opinião inicial.
A história inicia-se em abril de 2010, quando Vivian recebe uma carta de Ângela (que só se descobrirá quem é mais para o final), na qual esta pede a Vivian que conte o que foi para o pai dela. E Vivian, assumindo a qualidade de narradora, conta a sua vida a Ângela (ou ao leitor) recuando até o verão de 1940, altura em que tinha apenas 19 anos.
Vivian, a estudar na Faculdade de Vassar, é mandada de volta para casa dos pais, uma vez que ela não obteve aproveitamento nos exames. Apesar do prestígio da faculdade, Vivian não manifestou qualquer interesse em frequentar as aulas, preferindo costurar vestidos a estudar. Os pais, por vergonha ou por não saberem lidar com a filha, resolvem "despacha-la" no comboio para ir morar em Manhattam com a tia Peg (dona do teatro Lily Playhouse). De jovem inexperiente, rica e sem rumo, a vida de Vivian muda radicalmente quando trava conhecimento com várias personagens que a fascinam. É assim que na companhia de Celia Ray, corista no teatro da tia, embarca na aventura ("La vida Louca") madrugada fora, aproveitando ao máximo a vida e o divertimento noturno, em modo desbragado. Porém, essa alegria e vivacidade é ameaçada por problemas relacionados com ampla liberdade da jovem, embora esta continue a desempenhar, competentemente, a tarefa de figurinista do teatro da tia Peg, gerido com mão de ferro por Olive, caraterizada como implicativa mas de grande coração conforme se verificará ao longo da história.
O título "A cidade das mulheres" é o nome da peça de teatro que o tio de Vivian, Billy, escreve para a grande atriz Edna Parker Watson. O título alude a isso e a mais, porque conhecemos e acompanhamos várias personagens femininas interessantes que residem todas no Lily Playhouse.
A meio do livro, o ritmo da história diminuiu um pouco, porém, quando julguei que não ia acontecer nada de novo, Gilbert conseguiu dar um novo folgo e apanhar-me desprevenida e bem desperta para o que se segue. 
"A cidade das mulheres" é uma história absorvente sobre liberdade, paixão, romance, descoberta, erros e crescimento pessoal, em que o fascínio reside na narrativa simples e direta alicerçada na construção de personagens quase reais. Gostei muito e aconselho vivamente.
 
 
Classificação: 4, 5/5*
 


4 comentários

Imagem de perfil

De Inês a 08.07.2020 às 11:15

Fiquei muito curiosa com este livro :)
Imagem de perfil

De Edite a 12.07.2020 às 20:44

É muito bom!
beijinhos
Imagem de perfil

De imsilva a 08.07.2020 às 15:37

Gosto de todos os livros desta autora, esse ainda não li mas acredito que não desiluda. 
Imagem de perfil

De Edite a 12.07.2020 às 20:43

Não desilude mesmo. É uma ótima leitura para as férias de Verão.
Beijinhos

Comentar post








Instagram