Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Existe um livro com o título de Histórias de Ler e Comer (que nunca ouvi falar e que encontrei por acaso numa pesquisa no google) que poderá servir de mote (o título, claro) para o post de hoje.

  

À partida ler é uma atividade solitária, certo? No meu caso nem sempre, mas também. É que eu gosto mesmo de estar acompanhada de um petisco (sobretudo batatas fritas, shame on me), tais como pipocas, uma peça de fruta, um café ou um chá, dependo essa escolha da altura do ano.

 

Portanto, estava eu a dizer, que o tema são as histórias enquanto estamos a ler e a comer, e aposto que a vossa mãe, marido ou filho já vos chamou a atenção quando estão a ler durante o almoço ou ao jantar. 

Esta atitude, além de ser encarada como falta educação, poderá não ser a melhor, numa altura em que temos de focar a nossa atenção no alimento. Pois. Não vou comentar. 

 

O entretenimento que o livro nos proporciona é importante, porém, a conclusão que se retira -depois de uma pesquisa aturada e fundamentada na necessidade de escrever algo para o blog - é a de que os livros ficam com uma história para contar.

  

É muito fácil imaginar o que diriam os meus livros:

 

1- O d´Os Cinco -«Esta areia resulta daquela ida à praia quando tinhas 8 anos e uma folha ficou dobrada quando saiste para ir ao banho»;

2- Os de Agatha Christie- «Lembras-te que a investigação te deu nervos e que comeste um pêssego que manchou a folha em que ainda não sabias quem era culpado?»;

3-O d´ Amor em Tempos de Cólera-«Já te deves ter esquecido da dedicatória, que deverias considera-me o teu mais precioso tesouro, mas aos 15 anos resolveste deixar-me uma nódoa de chocolate».

 

Poderia continuar a contar todas as marcas que foram sendo deixadas nos meus livros, pois a mesmas são uma forma de arqueologia que me recorda esses momentos, as aventuras, as férias e os divertimentos.

 

Se gostarem dos livros direitinhos e bonitinhos na estante, esqueçam o que disse, mas não deixem de refletir sobre o seguinte:

 

"Ler é beber e comer. O espírito que não lê emagrece como o corpo que não come" (Victor Hugo).

 

Então, não é óbvia a conclusão de hoje?

 

Não? Pois, para mim, é óbvio que vou continuar a ler e a comer (ahahah).

 

 

 

1507-1.jpg

Opinião: Este livro foi mencionado pela Maria do Rosário no Clube de Leitura Conversas Livrásticas. O tema, se a memória não me falha, era saúde mental. Achei o máximo a descrição da história e fiquei muito curiosa quando a certa altura ouvi que os loucos estavam todos no manicómio. A este propósito, lembro-me da minha professora de filosofia quando lançava a pergunta: Quem são os loucos? Serão todos os outros, aqueles que vivem no manicómio, ou os que ficam de fora?

 

Entretanto, numa ida à biblioteca, trouxe este livrinho que me fez recordar essas aulas de filosofia e uma constante necessidade de questionar o mundo em redor. Por vezes esqueço-me de o fazer. Outras, ouso  refletir bem sobre o que estou a ver ou a ler. Acho que é preciso usar os olhos da alma e não os nossos sentidos, uma vez que estes não conseguem apreender essa dimensão reflexiva.


Resumindo um pouco a história, o Dr. Simão Bacamarte, médico psiquiatra ou alienista, depois de andar pela Europa vai para a cidade de Itaguí, no Brasil, onde acaba por se casar com uma viúva, que não era bonita, mas que lhe poderia vir a dar os filhos que desejava. Algum tempo depois, constroi um manicómio ou asilo na cidade. Chamou-lhe Casa Verde. A obsessão pelo trabalho é tão grande que aos seus olhos todos evidenciam sinais perante os quais o médico resolve internar um a um. Todos os  que se vão cruzando o caminho são objeto de um teste para comprovar a sua teoria (completamente aleatória).

 

"A loucura, objeto dos meus estudos, era até agora uma ilha perdida no oceano da razão; começo a suspeitar que é um continente". 

 

Este conto é uma forma muito "lúdica" de abordar um tema sensível: a forma como os médicos analisam os distúrbios psicológicos através das atitudes e comportamentos das pessoas.

 

"Simão Bacamarte refletiu ainda um instante, e disse:
- Suponho o espírito humano uma vasta concha, o meu fim, Sr. Soares, é ver se posso extrair a pérola, que é a razão; por outros termos, demarquemos definitivamente os limites da razão e da loucura. A razão é o perfeito equilíbrio de todas as faculdades; fora daí insânia, insânia e insânia".

 

 

Por outro lado, é utilizada uma dose de ironia na crítica a pessoas oportunistas, com o botânico Crispim Soares, bem como aos próprios políticos, com o barbeiro Porfírio. Numa sociedade de loucos, os poucos que se governam são os que têm interesses próprios (e nem esses serão poupados).

 

O primeiro contato que tive com o escritor foi com o livro D. Casmurro, uma leitura que partilhei convosco aqui. Tive uma boa impressão do autor e firmei a convição de que os seus livros não devem ser lidos "aos bocadinhos".Acho que desta feita aprendi bem a lição, pois li O alienista de uma assentada.

 

Um livro para ler e pensar. Uma alegoria ao ser humano e, sobretudo, ao que ele acredita ser a realidade.

 

CLASSIFICAÇÃO:

 5 estrelas.png

 

21074938_SkTV1.png

Esta tag foi criada pela Fátima  e o desafio consiste em  fazer uma lista de 10 coisas que pertendemos fazer este Verão.  Eu ainda não sei onde é que ele anda e se vocês souberem avisem, ok?

Portanto, começo por agradecer à Fátima pela nomeação e espero que tudo o que se encontra nesta lista se concretize.

 

Regras:

  1. Agradecer a quem o nomeou, fazendo uma ligação para o blogue em questão;
  2. Fazer uma lista de dez coisas que gostaria de fazer - e que sejam exequíveis - este Verão;
  3. Nomear cinco bloggers para fazer o mesmo.

 

Então, as dez coisas que quero fazer este Verão são:

1- Ir à praia de manhã;

2 - Ler na praia e sempre que tiver uma oportunidade;

3- Visitar vários sítios interessantes (que gostaria que o meus filhos conhecessem);

4- Comer gelados;

5 -Almoçar fora todos os dias;

6-Tirar fotografias ao pôr do sol;

7-Fazer caminhadas junto do mar;

8-Organizar os livros por autor e por ordem alfabética (já mudei de casa há dois anos e ainda não consegui organizar tudo);

9- Conseguir juntar num jantar duas ou três amigas dos tempos da faculdade (esta é difícil);

10- Ver filmes.

 

E eu nomeio:

Daniela, a Magda, a Célia, a Roberta e a Vanessa.

 

kyoto.jpg

Opinião: Kawabata foi um escritor japonês que recebeu o prémio Nobel da literatura em 1968. Depois de ler um livro pequeno como "Terra de Neve" resolvi ler outro igualmente pequeno. Escolhi o mesmo autor porque queria conhecer um pouco mais a escrita e a razão para lhe ter sido atribuído o prémio nobel.

 

Este romance tem como pano de fundo a cidade de Kyoto, os seus festivais, os feriados religiosos e a Natureza. Nele é narrada a história de duas irmãs gémeas, a Chieko e a Naeko, que não sabem da existência de uma da outra, uma vez que foram separadas quando ainda eram crianças.Chieko vive com os pais adotivos e o pai é comerciante de quimonos. Naeko ficou na aldeia de Kitayama e a sua vida é modesta.

 

Tal como em Terra de Neve, Kawabata faz muitas descrições da natureza. Gostei especialmente da parte em que Chieko e os pais vão a um jardim para verem as cerejeiras em flor. Aliás, a observação da natureza faz parte da vida desta família e é ainda uma fonte de inspiração para a criação dos desenhos dos obis (que servem para colocar na cintura). Porém, a modernização ameaça este negócio e Takichiro pondera se deve manter ou não a sua loja. Hiedo, filho de um amigo, dá algumas sugestões de desenhos mais modernos.

 

Chieko acaba por conhecer Naeko no templo de Yasaka e constata que são muito parecidas. É então que descobre que se trata da sua irmão gémea. Naeko vive uma vida simples e tenta sempre manter-se no seu lugar, uma vez que considera que a irmã possui um estatuto social superior ao seu.

 

Um livro pequeno para ler com calma e que dá a conhecer um pouco mais o Japão logo a seguir à Segunda Grande Guerra. Infelizmente foi um dos últimos trabalhos de Kawabata antes do suicídio em 1972.  

   

CLASSIFICAÇÃO:

 3 estrelas.png

 

 

 

género literário.jpg

 

FUI QUESTIONADA POR UMA AMIGA sobre a possibilidade de lhe indicar alguns livros para ela ler. A meu ver, ela é uma leitora mais eclética e possui um gosto definido por obras clássicas ou por histórias que primem pela singularidade ou pela diferença. 

 

Mas antes de escolher um livro, acho que é importante descobrir o tipo de literatura mais parecido com os nossos gostos e interesses atuais ou que se relacionem com a determinada fase da nossa vida. Um livro pode ser uma ótima companhia numa altura e não fazer sentido noutra. Por exemplo, nas férias quase todos os leitores preferem uma leitura mais levezinha, certo?

 

AQUELA PERGUNTA FICOU A AMADURECER e, em casa, lembrei-me dos testes que existiam nas revistas e que nos permitiam advinhar mais sobre a personalidade, uma paixão ou sobre variados assuntos que nos interessavam (e que nos faziam rir à brava).

 

Descobri o teste da Estante Blog  e achei que era o mais próximo daqueles que eu fazia com as minhas amigas nos tempos de adolescência.

Sabendo de antemão de que se trata apenas uma brincadeira, resolvi fazer umas pequenas adaptações ao apresentado pela Estante Blog e colocar aqui para quem queira saber o seu género literário predominante.

 

O MEU É: SUSPENSE E POLICIAIS. E o vosso?

Querem experimentar? Pois bem, anotem as respostas num papel, somem os pontos e confiram o resultado final neste post e, sobretudo, divirtam-se!

 

 

1. O teu programa preferido durante uma viagem é:

a) Visitar museus e conhecer um pouco da história local.
b) Realizar atividades radicais. Sempre em busca de adrenalina!
c) Observar os costumes dos moradores locais.
d) Descobrir as lendas e mistérios por detrás de cada lugar visitado.
e) Conhecer pessoas e fazer amizades.

 

2. Acabaste de receber um prémio que consiste numa passagem para um destino à escolha. Para que lugar irias?

a) Ficaria na dúvida. Gostava de ir a vários sítios.
b) Qualquer destino na Europa. Gostaria DE conhecer mais sobre a história europeia e os seus antepassados.
c) Vaticano. O teu sonho é estar num local importante para o Catolicismo.
d) Itália: paraíso de grandes poetas como Lorenzo de Médici e Dante Alighieri, e lugares românticos como Veneza.
e) Uma cidade brasileira. Gostaria de conhecer mais sobre os costumes e a cultura brasileira.

 

3. Se fosse possível viajar numa máquina do tempo, para que ano irias?
a) Permaneceria no atual. Gosto da vida moderna.
b) Adiantaria o relógio. Iria para o próximo século somente para experimentar as novidades tecnológicas.
c) Voltaria ao século XII e participaria de uma Cruzada a fim de desvendar os novos mundos.
d) Retornaria ao momento exato do surgimento do homem para descobrir, de fato, como tudo aconteceu.
e) Século XV. Certamente, participaria de todos aqueles bailes da nobreza que ocorriam em luxuosos castelos.

 

4. O que não pode faltar em uma viagem?
a) O livro O princepizinho para ler uma frase antes de dormir.
b) Um romance de verão.  Nada como um amor de verão.
c) Histórias engraçadas para contar no regresso.
d) Visitas a locais turísticos e históricos.
e) Aventura e muita adrenalina!

 

5. Que traço de personalidade o teu companheiro precisa para que o leves contigo?
a) Espírito de aventura.
b) Bom humor. Uma viagem é diversão.
c) Curiosidade. Só assim é possível fazer verdadeiras descobertas em uma viagem.
d) Companheirismo. É preciso ter disposição para estarem juntos durante a viagem.
e) Ausência de preconceitos. A pessoa precisa estar disposta a receber novas informações e vivenciar a cultura do local.

 

6. Qual dos títulos abaixo mais chama tua atenção?
a) “O livro dos prazeres”.
b) “Os homens não são máquinas”.
c) “De cabeça para baixo”.
d) “Jerusalém”.
e) “Histórias de detetive”.


Tabela de pontos:
1.
 a = 3; = 2; c = 0; d = 4; e = 1.

2. a = 2; b = 3; c = 4; d = 1; e = 0.
3. a = 0; b = 2; c = 3; d = 4; e = 1.
4. a = 4; b = 1; = 0; = 3; e = 2.
5. a = 2; b = 0; c = 3; d = 1; = 4.
6. a = 1; = 3; = 0; d = 4; e = 2.

 

De 0 a 4 pontos – Contos e Crónicas
Gostas de ficção e fantasia mas  preferes factos verídicos ou do dia-a-dia. És atento(a)  aos detalhes e gostas de analisar tudo o que acontece ao teu redor. Tens sede de conhecer novos costumes e a cultura de outros povos. Como um cronista que expõe a sua visão de mundo nos textos, gostas de tecer críticas e comentários sobre os mais diversos assuntos. 

 

De 5 a 9 pontos – Romances e Poesias
Apaixonado pela vida, é provável que você seja uma pessoa emotiva. Nas viagens, gosta de estar sempre acompanhando e também de conhecer gente nova e fazer amizades. Ao ler um livro, debruça-se sobre as páginas que transbordam fortes emoções. Os romances e as poesias têm tudo a ver contigo. 

 

De 10 a 14 pontos – Suspenses e Policiais
Não surpreenderia se sua vida virasse o enredo de um livro de ficção – daqueles com muita fantasia. É que adoras uma aventura e qualquer experiência que gere adrenalina! Quando o assunto é viagem, não tens um só destino. O mundo é o limite. Com esse espírito aventureiro só falta sair e conhecer o mundo.

 

De 15 a 19 pontos – Históricos e Biográficos
Não resta dúvida de que os fatos históricos exercem verdadeiro fascínio sobre você. É provável que, nalgum momento da vida, já tenha desejado voltar atrás no tempo só para reviver as experiências de nossos antepassados. Através dos livros históricos e das biografias é possível fazer uma verdadeira viagem na máquina do tempo e ter relatos fiéis de nossas maiores conquistas ao longo dos séculos. 

 

De a 20 a 24 pontos – Religiosos ou esotéricos
De espírito curioso, adoras ler sobre os mistérios da vida e do próprio ser humano. Através de suas vivências e leitura busca autoconhecimento e informações de tudo que envolve a criação do mundo, do homem e de suas crenças. Os livros esotéricos ou religiosos fazem o seu perfil.

 

Concordas com o resultado do teste?

 

 

Deixa um comentário.

 

 

 

maresia.jpg

Opinião: Já falei, aqui, sobre este livro. Porém, só agora consegui um tempinho para vos apresentar a minha opinião. Às vezes é preciso refletir um pouco sobre certos assuntos ou aguardar pela altura certa e que para nós faça algum sentido. Para mim é chegado o momento. Porque Maresia é uma alusão ao mar, ao Verão, à praia e ao tempo fresco logo pela manhã. Porque é Verão e a luz do dia termina mais tarde, o que permite ler um livro sem parar. 

 

MARESIA E FORTUNA foi a minha estreia com a autora e foi o primeiro livro que li em ebook - o que nunca esperei vir a fazer. No início, fez-me imensa falta folhear as páginas do livro e de poder colocar o marcador entre as pausas de leitura. Mas esta história, aparentemente simples na fase inicial, propicia poucas pausas ou nenhumas, de tal forma é viciante. 

 

O livro relata a vida de uma família, a mãe Adelaide e seus dois filhos, Simão e Eduardo,e  começa com a ida de Júlia e da sobrinha Vanessa para uma localidade piscatória chamada Apúlia. Júlia tem uma "missão", que esconde da sobrinha e dos pais desta, pois pretende descobrir o que aconteceu naquele local há 18 anos atrás. Confesso que a Júlia é uma personagem que me irritou bastante.

 

A HISTÓRIA é narrada sob duas perspetivas diferentes, a de Júlia e a do Eduardo, com a particularidade de que no final de cada capítulo é lançada uma frase enigmática e misteriosa, aguçando a curiosidade do leitor. 

 

QUANTO AO TÍTULO, achei que foi bem escolhido, uma vez que a primeira palavra Maresia refere-se à envolvência, ao local onde se passa a ação, ou seja, ao mar. Já a segunda palavra Fortuna sugere uma possível combinação de circunstâncias ou de acontecimento que são inevitáveis, a saber: destino, fado, fatalidade ou sorte. Eu fiz esta associação, porque julguei que se trataria de uma história sobre um pescador que morre no mar, esse lugar, temível e maravilhoso, cheio de vida, no entanto, tem outra razão de ser.

 

OS CAPÍTULOS são curtos, a ESCRITA é cuidada e a autora recorreu à técnica do diálogo entre as personagens. Não há descrições, há ação, suspense e segredos bem guardados. O facto de não existirem descrições é, na minha opinião, uma opção que pode desagradar a alguns leitores, mas que eu gostei bastante porque enquanto leitora permitiu dar asas à imaginação e ler de forma rápida. Além disso, não deixa de ser um exercício mental muito interessante, pois temos de seguir os diálogos e juntar as informações para "pintar o quadro". 

 

Em conclusão, considero que é um thriller psicológico diferente do habitual, num claro desafio à imaginação do leitor.

 

O amor transforma. O amor baralha. O amor pode salvar ou deitar tudo a perder.

Mas, afinal, o que é o amor para vocês?

 

CLASSIFICAÇÃO:

 4 estrelas.png

 

 

O ANO 2018 JÁ VAI A MEIO e chegou a altura de fazer um balanço e anotar as coisas boas que ele trouxe. Fiz novas leituras, conheci novos autores e consegui uma vitória: manter este espaço. Quem anda por aqui sabe ao que me refiro e percebe que a vida tem vicissitudes que nos sugam a energia.

Mas falemos dos posts que são publicados todos os dias, aqueles que me levam a rir e até sentir uma certa tristeza. Procuro dar sempre a atenção que gostaria de receber. Afinal somos humanos a utilizar as tecnologias. Sentimos, Vivemos, temos Problemas e gostamos sempre de uma Palavra (ou de um smile- sapinho-sorridente).

 

É por isso que ADMIRO A EQUIPA DO SAPO pela atenção que dedicam ao que escrevemos e pela forma como espalham a magia sem que se apercebam. Com os vossos destaques dão a atenção a determinados temas e de certa forma incentivam esta sapinha a continuar a escrever posts, tais como: A curiosidade literária é ... muito forte, 15 livros para ler em 15 dias, O meu FrankensteinO bicho-da-seda, de Roberth Galbraith e Um sentido para o Blog.

 

Da mesma forma que agradeço à equipa do SAPO, fico grata aos 691 visitantes da História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, de Luis Sepúlveda, aos 410 de O Vendedor de Passados, de José Eduardo Agualusa | Livro secreto # 2 , aos 251 de Um sentido para o blog e aos 247 de O vermelho e o negro, de Stendhal, por mais partilhas de livros e pensamentos.

 

Aos 2.208 visitantes do Porto,  1.601 de Lisboa e 886 de Leiria, à equipa do SAPO, aos leitores em geral, MUITO OBRIGADA.

 

ASSIM, SIM, VALE A PENA CONTINUAR A ESCREVER.

 

 





Mensagens