Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Gatos na Noite, Fábio Ventura

por editepf, em 17.06.24

20240617_221019.png

Após a leitura de "Corações de Papel", iniciei "Gatos na Noite" com uma grande curiosidade, ansiosa por desvendar o destino dos seus personagens. Embuída por um espírito de investigação, fui completamente surpreendida pela profundidade e complexidade que esta obra apresenta. Na verdade, desde as primeiras páginas, senti-me um tanto desorientada diante do vasto número de personagens introduzidos. A trama centra-se nos quatro irmãos – Jeremias, Tomé, Gabriel e Cibele– que têm personalidades distintas e complexas, contribuindo para um mosaico de histórias individuais e coletivas, em paralelo com personagens como Mateus, Júlia, Basílio e tantos outros que vão surgindo ao longo da história. 
O livro possui uma atmosfera que remete fortemente ao estilo de Stephen King, com um cenário impregnado de suspense e mistério, o que me deixou com um nó no estômago e um sentimento de inquietação constante. Essa influência é evidente na forma como o autor constrói o ambiente da Casa da Lua, um local repleto de segredos sombrios e eventos perturbadores.
Olhei de volta para todas aquelas sombras. Estavam a sorrir, um sorriso branco que conseguia ver mesmo àquela distância. E de repente já não era eu ali. Era apenas uma sombra, tal como elas.
 
Ao longo da narrativa, personagens de "Corações de Papel", como Gaspar, Lucas e a Cece, reaparecem, enriquecendo a trama e conectando histórias passadas e presentes, adicionando profundidade com essa ligação.
Nesta história são explorados temas complexos relacionados com a psicologia humana, inspirados nas teorias de Carl Jung sobre o consciente e o inconsciente. E apesar de se estranhar o inicio e as sombras, o autor conseguiu, e bem, amarrar todas as pontas soltas no final, proporcionando uma conclusão surpreendente. Para isso contribui decisivamente a escrita do autor e a forma como mantém o leitor envolvido e intrigado até a última página.
 
Num thriller que ousa lidar com temas psicológicos profundos e o lado obscuro do ser humano, a experiência intrigante à medida que os segredos da família Xavier vêm à tona, revela segredos obscuros que nem o próprio Jung previu. 
 
 
 

O Regresso, Kristin Hannah

por editepf, em 12.06.24

 

Captura de ecrã 2024-06-11 151906.png

"O Regresso", de Kristin Hannah, é um romance que segue Michael e Jolene, um casal cuja relação está à beira do divórcio após doze anos de casamento. As suas vidas mudam drasticamente quando Jolene, piloto de helicóptero do exército, é enviada para uma missão militar no Iraque, deixando Michael responsável por cuidar de uma criança e de uma pré-adolescente em casa. Essa separação forçada e os perigos da guerra irão intensificar a distância emocional entre eles. Por um lado, Jolene enfrenta os horrores da guerra, e, por outro, Michael luta com as novas responsabilidades e a ansiedade constante. Mas é a volta de Jolene que marca o início de uma nova batalha: a de superar os traumas da guerra e reconstruir a sua família.

Kristin Hannah explora temas como trauma, resiliência, amor e perdão, e, apesar dos temas pesados, a escrita de Hannah é cativante e fluida, com descrições vívidas e uma narrativa que prende a atenção do leitor do início ao fim.

Em resumo, "O Regresso" é uma leitura que não só entretém, mas também enriquece, oferecendo uma visão tocante e inspiradora sobre os desafios e a beleza da vida e do amor, e que mais uma vez confirma o poder de Kristin Hannah em contar histórias emocionantes.

Tantos livros, tão pouco tempo

Feira do Livro de Lisboa 2024

por editepf, em 07.06.24

20240530_152730.jpg

A frase "tantos livros, tão pouco tempo" sintetiza um sentimento comum entre os amantes da leitura: a constatação de que, apesar da infinidade de obras literárias disponíveis, o tempo para as explorar é limitado. Esta expressão reflete o desejo de descobrir novos mundos, aprender novas coisas e conhecer diferentes perspectivas através da literatura - mas também a frustração de que a vida é curta demais para ler tudo o que se deseja. Esse dilema é especialmente sentido durante eventos literários, como a Feira do Livro de Lisboa, um dos maiores e mais esperados eventos culturais da capital portuguesa.

Realizada anualmente no Parque Eduardo VII, a feira é um verdadeiro paraíso, onde encontramos uma vasta coleção de livros de todos os géneros e para todas as idades. A Feira do Livro de Lisboa não é apenas um local para a compra de livros; é um ponto de encontro para leitores, autores, editores, livreiros e todo o pessoal das redes sociais. Durante o evento, é comum encontrar escritores, participar de sessões de autógrafos, assistir a palestras e debates sobre os mais variados temas literários. Há também atividades para crianças, o que torna a feira um evento familiar que promove a leitura entre todas as gerações.  

Visitar a Feira do Livro de Lisboa uma vez por ano é, para mim, um hábito do qual não abdico. A atmosfera vibrante da feira, com as suas barracas coloridas e o aroma de livros novos misturado com o verde do parque e o perfume dos jacarandás, cria um ambiente inspirador e acolhedor muito propício a um passeio. 

E a cada edição, a feira traz novas editoras, lançamentos exclusivos e uma programação cultural diversificada. É, também, uma oportunidade para descobrir novos autores, reencontrar velhos favoritos e, claro, refletir sobre o dilema dos "tantos livros, tão pouco tempo".

Em suma, a frase "tantos livros, tão pouco tempo" reflete bem a sensação que tenho em relação à Feira do Livro de Lisboa, especialmente porque só consigo visitá-la uma vez por ano. A cada edição, sinto que há uma infinidade de livros à espera para serem descobertos, mas o tempo limitado da minha visita deixa a vontade de explorar muito mais. 

E vocês, sentem o mesmo ao visitar a Feira do Livro de Lisboa apenas uma vez por ano? 

Caruncho, Layla Martínez

por editepf, em 05.06.24

20240603_131306.jpg

"Caruncho", de Layla Martínez, é uma obra breve que deixa uma impressão profunda, pela sua representação crua e visceral da vida das suas protagonistas femininas. Narrado através das vozes de uma avó e da sua neta, o romance tece uma história de ressentimento e vingança, numa casa rural espanhola repleta de memórias dolorosas e presenças espectrais.

A casa onde a história se passa é mais do que um simples cenário – é um reflexo dos traumas e opressões vividos pelas mulheres que a habitam. As paredes parecem absorver e refletir as décadas de violência e sofrimento, criando um ambiente quase tangível de desespero e dor.

Morreram ambos de puro asco de puro desprezo de puro sangue ruim.

 

Martínez tem um talento notável para capturar e transmitir as emoções das suas protagonistas. A raiva e o ódio que permeiam a vida dessas mulheres são descritos de forma tão vívida que o leitor quase pode senti-los. A escrita é direta e poderosa, o que confere à narrativa uma intensidade incomum. Cada página aumenta a sensação de tensão e desespero, revelando como essas mulheres, apesar de suas diferenças e conflitos, precisam umas das outras para sobreviver.

O romance também é uma denúncia das injustiças sociais e da opressão de género. As experiências das protagonistas mostram de maneira crua e realista os efeitos devastadores do patriarcado e das estruturas sociais opressivas. A luta diária das mulheres por dignidade e sobrevivência num ambiente hostil e opressor é retratada com uma honestidade brutal que não deixará o leitor indiferente.

Além disso, "Caruncho" combina habilmente elementos de terror com um realismo implacável. As sombras e murmúrios que povoam a casa contribuem para uma atmosfera de constante inquietação, tornando a leitura ainda mais intensa.

Este monte de tijolos e sujidade faz sempre a mesma coisa, lança-se sobre qualquer pessoa que atravesse a porta e retorce-lhe as entranhas até a deixar sem fôlego.

 

 "Caruncho" é um romance carregado de emoções e uma crítica social incisiva, em que se celebra a força e a resiliência das mulheres, o que torna este livro numa leitura indispensável para quem busca uma história impactante e memorável, e para quem procura refletir sobre as profundezas mais sombrias do ser humano e as persistentes injustiças sociais.

 

*Oferta da editora 

O TikTok na promoção da leitura

Maria Francisca Gama

por editepf, em 04.06.24

20240603_170742.jpg

A recente conversa entre Maria Francisca Gama e Elga Fontes sobre a influência do TikTok na promoção da leitura destacou um fenómeno atual: o aumento do interesse dos jovens pela leitura graças a esta plataforma.

Durante o debate, ambas as interlocutoras realçaram os aspetos positivos desta tendência, como a revitalização do hábito de ler entre os jovens e a criação de uma comunidade literária inovadora e criativa.

Entretanto, também foram mencionadas algumas críticas pertinentes. Por exemplo, o algoritmo do TikTok, ao sugerir os mesmos livros para todos, pode limitar a diversidade das leituras, resultando numa experiência literária homogénea.

Foi, ainda, debatida a questão dos triggers warning, questionando-se se esta prática não estaria a proteger em excesso os leitores, limitando, assim, o seu crescimento pessoal ao evitar temas desafiadores.

Em suma, a conversa foi enriquecedora e muito relevante, abordando tanto os benefícios quanto as preocupações emergentes deste fenómeno contemporâneo.

 

Citação: Amor Estragado

por editepf, em 27.05.24

Amor.png

Citação : Enquanto o fim não vem

por editepf, em 26.05.24

Captura de ecrã 2024-06-04 111932.png

Vislumbres de Ti, Alexandre Oliveira

por editepf, em 24.05.24

 

20240523_170925.jpg

"Vislumbres de Ti", o primeiro romance de Alexandre Oliveira, transporta o leitor para um mundo de fantasia onde o mago Nasir se prepara para se casar com Helga. Nasir é o personagem central desta narrativa, que alterna entre o presente e o passado de forma inesperada.
Quanto à capa do livro, embora transmita uma aura mais técnica, infelizmente, não faz jus à narrativa, ou a um romance de fantasia, e poderia ser melhorada de forma a refletir o conteúdo da obra.
Um dos pontos altos do livro é a maneira como o autor explora as emoções de Nasir, como exemplificado nesta frase: "O desejo de mudar as circunstâncias era tão acre que o queimava por dentro e o feria por fora que os seus olhos humedeceram novamente apesar da calma no quarto."
Achei bastante intrigante nesta narrativa o Espelho de Alma, dado que acrescenta uma camada de mistério à trama. Este objeto mágico tem um papel significativo na história e na jornada emocional de Nasir.
Já os contornos deste universo fictício são, para mim, algo nebulosos, o que dificultou a imersão completa na história. Uma descrição mais detalhada do cenário, dos personagens e das hierarquias mágicas teria ajudado a criar uma ambientação mais clara e envolvente para o Urik e a Helga, assim como os restantes personagens (fiquei a saber pouco sobre eles, no entanto, já não penso o mesmo relativamente à mãe irritante de Nasir, Alana,).
Concluindo, o autor aborda temas emocionais como luto, amor e auto descoberta, criando um mundo onde a fantasia é ofuscada pelo mundo complexo das emoções. Cabe por isso ao leitor realizar uma análise dos estilhaços da alma, reconstruindo cuidadosamente as peças para compreender plenamente a profundidade emocional presente na obra.

Amor Estragado, Ana Bárbara Pedrosa

por editepf, em 23.05.24

foto.jpg

A história começa com a apresentação de Manel, um homem com um vício que não só constrange e intimida, mas também mata. A narrativa retrata Manel como um personagem ultrajante, preso ao álcool e às suas frustrações, que acabam por levar à morte de sua esposa, Ema. 

Zé, o outro irmão, é uma personagem apática que, focado em seus próprios problemas, desvia o olhar para não se envolver com a violência doméstica que sabe que existe. Ele representa aqueles que quase negam a realidade perturbadora ao seu redor.

Este romance vicia, mesmo quando a tragédia inicia a narrativa, pois estamos à espera de entender o contexto e o que vem depois. 

Amor Estragado é um romance poderoso e perturbador sobre a falibilidade humana e a difícil jornada de lidar com a culpa e a perda, escrito de maneira a desarmar e prender o leitor do início ao fim.

Em duas palavras, apenas, é comovente e chocante.
E vocês, já leram ?
 

Enquanto o fim não vem, Mafalda Santos

por editepf, em 20.05.24

Captura de ecrã 2024-05-20 094952.png

Nesta história, a narrativa é intrigante e multifacetada pois vai além de uma simples investigação criminal.
O enredo desenrola-se à volta do inspetor Lobo, em que se tenta desvendar o mistério do assassinato de Laura, e de  Afonso Cordeiro, um escritor em crise.
A força deste livro reside na sua capacidade de subverter expectativas. A narrativa não se contenta em seguir uma linha reta; em vez disso, ela desvia-se constantemente, introduzindo novas revelações.
Mafalda Santos utiliza muitas reviravoltas e a verdade fica sempre quase, quase, acessível, mas enquanto o fim não vem não se descortina qual será. É um recurso muito interessante pois mantém o leitor envolvido e ansioso para chegar ao final.
Este livro não é apenas um mistério a ser resolvido, mas um quebra-cabeça emocional e psicológico que convida o leitor a questionar as motivações e a verdadeira natureza dos personagens.
A estrutura bem pensada e a narrativa fora da caixa proporcionam uma leitura fascinante e completamente imprevisível, fazendo com que o livro seja difícil de largar.
Numa palavra, Adorei!




Pesquisar

  Pesquisar no Blog