Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Ter | 03.01.17

O que dizem os teus livros? (9)

ler por aí.png

 Hoje, vamos conhecer a Patrícia do blogue Ler por aí. É um blogue que acompanho e fiquei surpreendida, porque não é fácil descobrir muito mais sobre a Patrícia.Enigmática e com um sentido crítico apurado diz não querer parcerias, uma vez que gosta de dar opinião apenas sobre aquilo que gosta.No último post deixa "votos de fantásticas leituras em 2017 e um pedido especial: Leiam escritores portugueses, desafiem-se, leiam livros diferentes dos que fazem parte da vossa estante, arrisquem. Ou então não. Mas leiam. Leiam sempre".

 

Desde que idade tens uma paixão por livros? 

P:Desde sempre. Não me conheço sem esta paixão, e a verdade é que aprendi a ler pela pura vontade de mergulhar nos livros. Os meus pais sempre estimularam este vício bom e relembro com alguma saudade os Natais da minha infância e a pilha de livros que, no final do dia 25, prometia muitos dias de felicidade. 

 

Qual o tipo de livro que costumas ler?

P:Leio (quase) tudo. Tenho um fraquinho pela fantasia, para dizer a verdade, mas cada vez mais gosto de variar o tipo de livro que leio. Gosto de livros que me desafiem de alguma forma, seja pela imaginação ou pela crueza da realidade. Gosto de livros que obriguem a pensar, que me façam questionar o que me rodeia.

 

O que gostas mais durante  a leitura? 

P:Da promessa que cada livro não lido contém. Da fuga que proporcionam e de que tanto necessito às vezes. Da sabedoria. Das possibilidades. Durante as horas que mergulho num livro posso ser tudo. Acima de tudo isso, ser diferente.

 

Quais os fatores que influenciam a escolha de um livro? 

P:Já escolhi livros pelo título, pela capa, pela sinopse, porque me recomendaram, porque é de um autor que já li, porque é de um autor que nunca li.  Enfim, não sou muito leal às razões que me levam a escolher um livro.

Mas nos últimos anos o facto de ser um livro de escritor Português é decisivo.  Comecei a descobrir o quão bem se escreve por cá muito tarde e sinto que tenho que ganhar terreno ao tempo que não tenho. Para mim é importante ler os nossos escritores, conhecer a nossa literatura. E tenho-me divertido imenso à conta desta decisão.

 

Descreve sentimentos que só um leitor entende. 

P:O Natal está a aproximar-se e já estou a preparar-me para a desilusão de abrir um presente e não ser um livro. Todas as pessoas que dizem que não nos oferecem livros porque “já tens muitos” ou “Não sei qual te hei-de dar, tens tudo” não têm a noção, pois não? Nunca teremos demasiados livros (se há conceito que não existe é este “demasiados livros”), não temos nem perto de todos os livros que gostávamos de ter e há algo maravilhosos chamado “talão de troca”. E oferecer um livro (pode ser de bolso ou em segunda mão, ficam ao mesmo preço da caixa de chocolates) a um leitor é uma prova de amor. 

 

As histórias, por vezes, têm uma enorme carga emocional. Já alguma vez choraste ou riste? Se sim, quais foram os livros em que isso aconteceu? 

P:Sou um bocado pedra, confesso. Mas já chorei e já me ri no mesmo livro até. Aconteceu, por exemplo no “A máquina de fazer espanhóis” do Valter Hugo Mãe. E ri imenso no “As viúvas de dom Rufia” ou no “Os demónios de Álvaro Cobra” ambos do Carlos Campaniço.

 

O que dizem os teus livros? 

P:Alguns perguntam porque estão esquecidos na estante J, outros porque estão tão riscados, com as páginas dobradas (a esses digo-lhes que isso são provas de amor) e outros reclamam pelos vizinhos que têm. Mas no fim de contas, a minha estante é uma festa, com toda a gente misturada

 

 

 

8 comentários

Comentar post