Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Línguas-de-gato | Sem língua # 27

Esta manhã acordei com uma dor tremenda (há muito tempo que não me sentia tão mal!). A Pipoca diz que é da idade e que estou a ficar velhinho (Humpff, sim, provavelmente). No entanto, tudo o que me ocorre e me apetece é dormir, descansar e deixar os outros miar à vontade. 

Sem palavras minhas, estou limitado a ler como se lesse, e no fundo das minhas orelhas, e sem espírito santo nenhum, sei que a língua é de quem a entende.

A minha tristeza prolongou-se durante algum tempo quando li que:

 

O gato passou a manhã na biblioteca de volta dos livros. Foi saltando de estante em estante inclinando a cabeça como se lesse os títulos nas lombadas. Os livros técnicos pouco o interessaram, assim como os manuais, os ensaios e os livros de filosofis. Ao chegar aos romances ficou excitado e chegou a atirar alguns para o chão de tanto puxar com as garras.

Um dos livros prendeu-lhe a atenção, o título em holandês, De Kreutzersonate e o animal virou-lhe as páginas como se lesse ou lembrasse de ter lido.

Quando Margarida chegou a casa, deu com os livros no chão e castigou o gato com um jornal dobrado. Arrumou-os novamente nas estantes mas notou as marcas de garras na página de um deles...

Debaixo de Algum Céu, de Nuno Camarneiro

Este gato, sem língua, deixou-me triste. Trouxe memórias de quando era jovem namoradeiro e de quando miar era a minha especialidade. Hoje, estou só, e os humanos, tal como diria Saint-Exupery, são:
Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.

 

4 comentários

Comentar post