Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Qua | 21.06.17

Felicidade Roubada, de Augusto Cury

Felicidade-Roubada.jpg

Este é o segundo livro que li do Dr. Augusto Cury, pois adoro psicologia, especialmente quando explicada de uma forma leve e acessível, como é o caso. Além disso, tem um ingrediente especial, que aprecio muito, uma vez que a história é baseada em factos reais.

 

Se já não se recordam, lembro que se trata de de mais um livro do psiquiatra, psicoterapeuta e escritor Augusto Cury, em que se aborda, de forma romanceada, o tema do esgotamento e dos ataques de pânico e ansiedade.

 

O personagem principal é um neurocirurgião famoso e com uma brilhante carreira que se chama Dr. Alan de Alcântara. Ele é, ainda, muito exigente, profissional e diz tudo o que pensa. Porém, apesar de conhecer muito bem o cérebro, desconhece que que o seu também tem limites. Ele é acima de tudo um Workaholic e vive exclusivamente dedicado ao seu trabalho, negligenciado a filha e a mulher.

O Dr. Marco Polo aparece como psiquiatra do Dr.Alan, o que não esperava mesmo nada. Se quiserem podem ler a opinião sobre A Saga de Um Pensador (aqui), o qual continua a ser o meu preferido. 

 

O que gostei menos no livro Felicidade Roubada e não constatei no outro? Eu respondo, foram os diálogos, quase como os do Tomás de Noronha nos livros de José Rodrigues dos Santos, e a escrita no português do Brasil. Os livros do Dr. Augusto Cury tiveram um volume de vendas enorme no Brasil, mas, para mim, torna-se estranho frases como:

-Você cobra demasiado de si?-perguntou o psiquiatra.

-Muito. Todos os dias. Olho para o meu passado bem-sucedido e comparo-o com aquilo em que tornei. Isso fez brotar em mim um sentimento de vergonha e de raiva.

-Na verdade, provavelmente sempre cobrou de si próprio. E quem cobra demasiado de si próprio sabota a sua saúde emocional, aumenta os níveis de exigência para ser feliz- afirmou o doutor Marco Polo.

  

Sinopse:E se de repente você perdesse a capacidade de fazer aquilo que dá sentido à sua vida? E se fosse paralisado pelos seus medos? Alan de Alcântara é um neurocirurgião bem-sucedido, que dedica grande parte do seu tempo à medicina. Cético e pragmático, não reconhece qualquer sinal de fraqueza em si e tem dificuldade em lidar com pessoas lentas.A sua vida profissional suga toda a sua energia, e, apesar de amar a sua inteligente filha Lucila e a sua adorável esposa Cláudia, mal convive com elas. Pensa que o amor é algo incondicional e não precisa de ser cuidado... Durante uma cirurgia, no entanto, Alan é acometido por uma crise de pânico e não é capaz de terminar o procedimento, deixando a responsabilidade para o seu auxiliar. Alan convence-se de que está a sofrer um ataque cardíaco, e não admite o diagnóstico: transtorno psíquico. O seu mal-estar jamais poderia ter origem emocional, pensa; isso é para fracos. Alan verá as suas certezas desmoronarem-se perante a doença – que irá significar, em última instância, uma oportunidade rara de se reconstruir como ser  humano. 

3 comentários

Comentar post