Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Sex | 06.10.17

Emigrantes, de Ferreira de Castro | livro secreto # 5

320x.jpg

Opinião: Começo por avisar: nunca se deve julgar um livro pela capa porque o que conta é o conteúdo. Este livro é um livro secreto e veio parar a minha casa há uns meses atrás. Abri muito rapidamente o embrulho que continha o livro, porém, a ilustração na capa desiludiu-me logo e, naquele instante, pensei: é um livro da escola! Esta foi a primeira impressão. Quando comecei a ler o primeiro capítulo,com a descrição de uma aldeia pobre algures no interior de Portugal, ela voltou. Na minha perspetiva, estava a ler para a disciplina de português. Mas fui resistente e avancei. À medida que fui lendo comecei a apreciar a escrita de Ferreira de Castro. Aliás, acho que as descrições são necessárias e muito realistas. Embrenhei-me então na história do Manuel da Bouça, na pobreza da sua aldeia e no seu sonho. Emigrar representaria uma forma fácil de ganhar dinheiro. Ingenuamente Manuel da Bouça pede dinheiro emprestado e compra a viagem, deixando a mulher e a filha. Com isso lucraram e enriqueceram os "vendedores de sonhos" lá da aldeia. Já o pobre desgraçado do Manuel da Bouça, cheio de receio de viajar de barco, embarcou numa ilusão. 

No geral, uma história para pensar e refletir pela atualidade do tema da experiência emigração. Em particular, uma menção especial para escrita que nos emociona (o próprio Ferreira de Castro emigrou e passou por dificuldades) levando-nos a "sentir" todas as sensações, pensamentos e emoções de Manuel da Bouça. Coitado do homem, só lido. 

 
 
Em todas as aldeias próximas, em todas as freguesias das redondezas, havia o mesmo anseio de emigrar, de ir em busca de riqueza a continentes longínquos. Era um sonho denso, uma ambição profunda que cavava nas almas, desde a infância à velhice. O oiro do Brasil fazia parte da tradição e tinha o prestígio duma lenda entre os espíritos rudes e simples. Viam-no reflorir nas igrejas, nos palacetes, nas escolas, nas pontes e nas estradas novas que os homens enriquecidos na outra margem do Atlântico mandavam executar.
 
 
Classificação: 5/5 - Gostei bastante.
 
 

 

 

 

7 comentários

Comentar post