Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Seg | 06.03.17

A vida em modo livro|e| com a Vanessa

A minha convidada de hoje é a Vanessa Santos, advogada estagiária e autora do blog Livros de Vidro. Neste blog encontramos opiniões sobre livros e entrevistas com vários escritores.

Tive o prazer de conhecer a Vanessa no Clube de Leitura as Conversas Livrástica e fiquei muito satisfeita quando aceitou o convite. Além do mais, é escritora do livro "Mors Tua, Vita Mea", que espero ler muito em breve (prometo ler e não falhar ). 

13339554_853808424723758_6519515195121929928_n.jpg

  13339487_853812564723344_9025899861902620075_n.jpg

Fotografias do lançamento do livro "Mors Tua, Vita Mea"

 

Qual o livro que foi publicado na tua data de nascimento?

V:A história do cerco de Lisboa de Saramago. Confesso, ainda não li.

 

O nosso corpo é formado por células. Qual é a tua célula adormecida?

V: Acho que a célula do “não fazer nada” adormeceu. Há muito tempo que não sei o que é ficar sem fazer 100% nada. Já não consigo como quando era mais nova.

 

Indica e explica a peça de vestuário que consideraste mais marcante na tua vida (comunhão, baile de finalistas, casamento, etc.).

V:Era um vestido com saia rodada. Gostava de andar à roda como se fosse um pião a vê-la rodar à minha volta.

 

Se pudesses indicar uma “dieta equilibrada de livros”, quais os livros que indicarias?

V: Acho que não seria uma grande dieta. A minha dieta literária é muito desequilibrada. Gosto de tudo o que seja acção, terror, thriller e por aí a fora. Não me parece que acabe por ser equilibrada e indicada para muitas pessoas (eheh). Mas se tivesse de indicar, diria que se deverá ler um livro de cada género literário, ou pelo menos algo diferente do habitual, para limpar a mente e abrir horizontes. Tento fazer isso, na verdade, é uma forma de tentar “treinar” emoções que não são despertadas com aqueles géneros. Por exemplo, tento ler romances, para ver se fico mais “mole de coração”, fantasia para sair da zona de conforto e tentar acreditar em algo mágico. Acho que se deverá fazer algo assim.

  

Supondo que te pediam para enviar uma fotografia a(o) um(a) escritor(a). A quem é que enviavas e porquê?

V: Enviava a Stephen King, porque é o meu autor preferido, ou dos preferidos.

 

Qual é a música popular portuguesa que mais odiaste até hoje?

V:“Maria Albertina” de António Variações. 

 

Qual é a situação mais absurda que te aconteceu a ti ou a alguém num local público.

V:Não sei se é absurda, mas estranha-me que os detectores de coisos da roupa e acessórios, aqueles para evitar os furtos, apitem quando entro nas lojas e não quando saio. Já disse várias vezes às meninas das lojas “ainda não tive tempo de roubar nada, ainda estou a entrar”. Elas riem-se, hoje em dia não sei onde enfiam esses alarmes, porque compramos coisas e eles magnetizam e desmagnetizam e podem fazer apitar os aparelhos em qualquer altura. Mas acho que já é banal. Nas lojas já nem ligam. É algo absurdo.

 

Comenta esta frase retirada do Público: “O autor morre quando põe um ponto final. O leitor nasce a seguir”.

V:Não concordo. O autor não morre, encerra aquela fase da vida. Faz uma pausa. Mas sim, um leitor nasce ou pelo menos renasce a cada leitura. Pelo menos isso acontece-me.

 ***

Muito obrigada, Vanessa. Quanto à preferência pela saia rodada, trouxe-me à memória uma que eu também adorava. Era linda de morrer ou pelo menos eu achava que sim.Encontrei uma parecida (a do meio) e pergunto: vocês não tiveram uma igual ou parecida?

saia.jpg

 

3 comentários

Comentar post