Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A-Livraria-dos-Finais-Felizes (1).jpg

 

Sara, a protagonista, é uma bibliófila, adora ler e trabalhou numa livraria na Suécia. Assim, quando a livraria fechou as portas, resolve visitar a Amy em Broken Wheel, uma pequena cidade norte-americana do Iowa. Amy e Sara tornaram-se amigas, à distância, através das cartas que foram trocando. Ambas adoram ler e trocar as suas experiências literárias. Porém, quando Sara chega a Broken Whell, Amy tinha acabado de sucumbir a uma doença grave e não a chega a conhecer. Mas Sara não desiste e resolve abrir uma livraria com os livros de Amy, despertando, aos poucos, nos moradores, o gosto pela leitura.

 

Este livro foi-me recomendado pela Magda e estava à minha espera (e eu à espera dele) e, quando lhe peguei, não consegui parar. Aliás, a frase "Há sempre uma pessoa para livro"confirma-se em cheio. Se, por um lado, as referências literárias multiplicam-se ao longo do livro de uma forma natural (e gigantesca, conforme lista de autores que a Roberta Frontini apontou e indica aqui), por outro lado, o leitor sente-se como se estivesse em Broken Whell, como se conhecesse os moradores e os livros de Amy.

 

A Livraria dos Finais Felizes é um daqueles livros em que temos uma protagonista jovem, normal, simples, e sempre "com o nariz enfiado nos livros", mas cuja simplicidade irá "revolucionar" a vida dos outros. E quando ela julga estar a ajudar os moradores e a retribuir a sua hospitalidade, percebemos que está, no fundo, a ajudar-se a si própria (ainda que ela não se aperceba disso). O mais interessante é que irá ter de passar por situações reais, o que a levará a compreender que aquelas pessoas, aqueles moradores de uma cidade pequena desinteressante, são muito importantes. Os livros "são melhores do que a realidade (...). Mais grandiosos, mais divertidos, mais bonitos, mais trágicos, mais românticos",  porém, em Broken Whell, Sara sentir-se-á em casa. E quem não estaria ao sentir-se rodeada de amigos "reais" e de uma livraria repleta dos fiéis livros?!

 

Numa última análise, considero que "A Livraria dos Finais Felizes" é uma ode aos que "respiram livros"  e que não passam sem eles, mas na qual a escritora utiliza, com habilidade, uma mensagem estratégia que leva a que os livrólicos concluam o seguinte: é preciso ler e é imprescindível viver... 

 

Os livros tinham constituído uma defesa, sim, mas não era só isso. Tinham protegido Sara do mundo à sua volta, mas também o tinham transformado num difuso pano de fundo para as verdadeiras aventuras existentes na sua vida.

 

Livros de capa mole e de capa dura tinham um cheiro diferente, mas também existiam disparidades entre as edições de bolso inglesas e suecas (...) Curiosamente, os manuais para o público adulto cheiravam ao mesmo que os livros escolares: o aroma familiar das salas de aula, ar viciado e desassossego.

 

Sinopse:Há sempre uma pessoa para cada livro e um livro para cada pessoa."A Livraria dos finais felizes é uma história comovente sobre o poder Se a vida fosse um romance, o da Sara certamente não seria um livro de aventuras. Em vinte e oito anos nunca saiu da Suécia e nenhum encontro do destino desarrumou a sua existência. Tímida e insegura, só se sente à vontade na companhia de um bom livro e os seus melhores amigos são as personagens criadas pela imaginação dos escritores, que a fazem viver sonhos, viagens e paixões. Mas tudo muda no dia em que recebe uma carta de uma pequena cidade perdida no meio do Iowa e com um nome estranho: Broken Wheel. A remetente é uma tal Amy, uma americana de 65 anos que lhe envia um livro. E assim começa entre as duas uma correspondência afetuosa e sincera. Depois de uma intensa troca de cartas e livros, Sara consegue juntar o dinheiro para atravessar o oceano e encontrar a sua queria amiga. No entanto, Amy não está à sua espera, o seu final, infelizmente, veio mais cedo do que o esperado. E enquanto os excêntricos habitantes, de quem Amy tanto lhe tinha falado, tomam conta da assustadora turista (a primeira na história de Broken Wheel), Sara decide retribuir a bondade iniciando-os no prazer da leitura. Porque rapidamente percebe que Broken Wheel precisa de um pouco de aventura, uma dose de auto-ajuda e, talvez, um pouco de romance. Em suma, esta é uma cidade que precisa de uma livraria. E Sara, que sempre preferiu os livros às pessoas, naquela aldeia de poucas gentes, mas de grande coração, encontrará amizade, amor e emoções para viver: e finalmente será a verdadeira protagonista da sua vida.

1

A Livraria dos Finais Felizes, de Katarina Bivald

Editado em abril de 2016 pela Suma de Letras

ISBN: 978-989-665-070-4

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Imagem de perfil

De Magda L Pais a 22.06.2017 às 08:41

É realmente um livro fabuloso. Li-o duas vezes, de seguida, porque me sentia em casa dentro do livro 
Imagem de perfil

De Edite a 22.06.2017 às 13:10

Eu voltei a ler as partes em que são feitas as referências literárias a vários autores. Adorei ler o livro que fala sobre outros livros.
A propósito, viste a lista da Roberta? Tinhas ideia que eram tantos os autores referidos ao longo do livro?
Beijinhos e boas leituras.
Imagem de perfil

De Cláudia Oliveira a 22.06.2017 às 16:03

Adro livros sobre livros. 
Imagem de perfil

De Chic'Ana a 22.06.2017 às 16:13

Nunca o li, mas vou ter de o fazer!! =)


(vais mudar para o blogspot? foi o link que deixaste no meu blog)
Beijinhos
Imagem de perfil

De HD a 22.06.2017 às 18:46

Caramba, tens sempre cada sugestão tentadora de leitura!
Eu até vou tomando nota de alguns, mas nunca tenho tempo para os conhecer devidamente... -.-

Comentar post



foto do autor


Arquivo



Mensagens