Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Sab | 18.06.16

7 dias no Pensamento



Estou de volta paradesvendar um pouco o mistério. Adoro mistérios (eheh) e questionar tudo. Tenhopresente as aulas de filosofia e tudo pode ser analisado de outra forma. É mais ou menos isso que me ocorre, frequentemente.

Como sabem, ao longodesta semana vários acontecimentos ocorreram no mundo. Porém, a religião nãoserve de justificação para matar. Aliás, na minha modesta opinião, não existeramo certo na árvore das religiões nem é preciso escolher um ramo. Deus é otronco de todas as religiões e não é preciso escolher uma religião para saberque a vida é valiosíssima. Por outro lado, podemos acreditar muito numa coisa ea nossa visão não ser a correta ou até não acreditar em nada e com isso não vir mal ao Mundo.
Acontece que paira sobre o mundo a sombra do medo e do ódio e nós devemos aprender a encarara realidade e a verdade: a vida é Caos.

Estas reflexões, aparentementedespropositadas, acompanharam as leituras desta semana:

 Nolivro A Viagem de Théo, constatei queas religiões têm muitas semelhanças entre si mas estão sempre em conflito. Nadade novo para mim, exceto desconhecer que existem muitas religiões e conceitosverdadeiramente estranhos. Além disso, por mim falo, acho que não conseguia fazera dança rodopiante dervixe: rodar erodar e rodar, ui… fico toda tonta;

Com AsLuzes de Setembro, dirigi um olhar para o fantástico e com a sua leiturapercebi a fórmula utilizada peloescritor, pois através de uma apresentação do lado obscuro de Lazarus Jan somossubtilmente conduzidos ao lado negro e malévolo existente em nós próprios. CarlosRuiz Záfon vai mais longe, pois seres mecânicos, criados por Lazarus edescritos como reais e vivos, são, a meu ver, o indício de que o homem poderáser “substituído” por seres biónicos (não sei, li notícias neste sentido evocês?);

Em Todaa Luz Que Não podemos Ver, a história é contada sob dois prismas diferentes:ela embora cega é corajosa e determinada, ele apesar de inteligente e autodidactaé subjugado pelo medo, o que paralisa a sua própria personalidade. 

O que é facto assente, é que todos temos umarazão para estarmos aqui e que do Caos podem surgir obras maravilhosas. Apósler a destruição total da cidade fortificada de Saint-Malo, fiz uma pesquisa e verifiqueique essa destruição total foi real e que só após a guerra a cidade foireconstruída, mas da forma exactamente como estava antes.


Bem, para a semana tentarei ser umaverdadeira Pollyanna...