Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Livro Pensamento

O Livro Pensamento

Línguas-de-gato | Os fantasmas e a coxinha política # 9

Uma máscara que eu acho o máximo, no mundo animal, é a de uma mulher mascarada de gato. Nada me impressiona mais do que ver uma gatade duas patas! Mas caras pintadas com sangue a fingir, e dentes de vampiro, arrepiam-me o pêlo todo e fico naquela “não sei se fuja, não sei sefique”. É um sentimento estranho de aversão e de cusquice, em simultâneo. A minha dona diz que eu sou um gato intrometido e que gosto de andar sempre à procura de algo para me “coçar”. Bom. Não concordo, porque eu sou apenas um gato e um gato tem de marcar o seu território. Sou assim, honesto e fiel a quem me rodeia. Ao contrário de quem nos governa, não acham? Porque será que há essa necessidade constante de ocultar e de mentir? Já são “donos” do seu território e de todos os portugueses! Mas o que se passa já não é novidade e tem vindo a acontecer ao longo dos anos. Uma licenciatura não dá acesso direto a uma profissão. Hello?! Ou dá, a quem pode mentir, mesmo que não tenha a licenciatura?! Quem pode pode (Quem não pode, vive em casa dos pais até mais tarde). São, assim, os verdadeiros estrategas da política da ocultação e da negação,até ser tarde demais. Na ausência de qualquer reacção do povo, vamos continuara dar privilégios a quem não os devia ter (Já sei que quanto a isto não me posso queixar, pois enquanto gato tenho uma vida que muito português não tem:comida-cama-nada para fazer e dormir). Sejamos, então, realistas. Para ser político é necessário uma licenciatura? Não. Qual a necessidade de mentir? O hábito e a mentalidade enraizada na nossa sociedade. O que é acontecerá no futuro? Os políticos, quenão tiraram uma licenciatura (como deve ser, vá), que não sabem escrever bem, necessitam de escritores-fantasma para lhes fazer a papinha toda. Competência será, assim, abolida do dicionário, e em substituição, será implementada, sem a aprovação de todos os países envolvidos, outra palavra oriunda do Brasil: coxinha política

À conclusão, os competentes serão os outros, os fantasmas, e esses ninguém vê no dicionário!

Fotografia da alma


Quandocaminhares curvado pelo ónus do espírito
[pai]
edificareium empedrado de pensamentos polidos,
ondeeliminarei os minutos do horror e
[os sonhos urdidos]
nateia viva da angústia, cortarei cada fio frágil
[da memória]
enão estenderei a mão
enão exigirei a tua atenção para as fotografias
[a preto e branco]
Eos espinhos, deglutidos na garganta em trevas, devorarão as lembranças que
[esmoreceram e]
 de mim se alongaram os segundos  da hora derradeira,
quandodestruístes, nos sonhos,  a carneoculta da mãe
[dos olhos da (v)ida]
 Esquecestes  do ser imberbe gerado das células paternais…
Maseu repudio essa herança e a fria despedida
finalmente
[a dádiva de amor a um filho]

Música com palavras enfeitiçadas

O Dia das Bruxas está quase a chegar. Entre as actividades mais comuns, como vestir fantasias, a partida"doce ou travessura" ou decorar a casa com abóboras, eu prefiro os filmes de terror. É claro que preciso de companhia, pois a minha imaginação exalta o mais pequeno ruído, o que é perturbador. Mas, como faltam ainda alguns dias, lá fui eu pesquisar um video que me deixasse bem disposta e com capacidade humorística suficiente para o impacto do dia 31.


P.S. Mais um video a juntar à minha colecção.

Música com gatos e três palavrinhas

Palavras sem música

Desenhos animados sem palavras

Línguas-de-gato | A falta de noção dos humanos # 8

Nestes últimos dias, tenho andado deprimido. Não seibem porquê, mas é uma espécie de "feeling". Talvez o meu sexto sentido felino ou apenas uma impressão do subconsciente. Algo se está a passar e ninguém faz nada. A minha dona diz que este tempo não ajuda. Será influência do tempo? É que eu gosto de chuva e gosto de estar em casa. Inclino a pata direita em como todo este sentimento de tristeza está relacionado com as notícias. Não é fácil viver. Bem, DonaldT rump também está a ver a vida a complicar-se. A campanha para as eleições está cada vez mais agressiva. Várias mulheres vieram recentemente a público acusar Trump  e ele promete que vai processar todas as mulheres que o acusaram de assédio sexual. É um lavar de roupa suja nunca visto nas eleições americanas. Mas a indiferença ou falta de noção não acontece só aos políticos. De facto, um homem, por volta do meio-dia,em Northampton, Inglaterra, entrou numa loja de artigos para o lar e decidiu levar, sem pagar, uns estores enfiados na roupa e sair, na maior das descontracções. No elevador, foi filmado e a polícia divulgou uma fotografia do ladrão com os estores dentro do casaco a levantar o capuz. O objetivo era identificar o sujeito, mas, no Twitter, recebeu doze mil “gostos” e mais não sei quantas partilhas. Porque é que fico triste? Não percebo as pessoas. Afinal, sou apenas um gato e, quando faço algo errado, no mínimo, levo com um jornal… Dou um miado gigante e depois fico a pensar que o pior não foi  levar com o jornal e sim ter levado com a porcaria de notícias que vêm lá dentro. Que falta de noção!

Questão atroz


Quando, na força das palavras não ditas, surge ainsatisfação inútil?
Eis a desdita tristeza que se apressa numa lágrima fútil.
Já nada ocupa o seu ser, a não ser uma espécie de doença,
cinzenta, em forma de questão. Quan-do,
nestas sílabas silencia a atenção
que dedica à lembrança das noites com voz ciciada em maciatentação.
Vira o mundo e desmaia
a expressão (do rosto), mas esforça
a mente na procura de um resquício da noite inconfidente
e agora atravessa demente
a desabitada areia da praia,
onde as ondas engomaram e enrolaram a escravidão.
O mar, traiçoeiro, havia chegado perto da areia e baralhadoem água a emoção.
Havia chegado, ainda, o vento desleal e, bem veloz, Omomento atroz.
Acorda  para o tempoverbal das palavras e contempla
as suas pegadascinzentas demarcadas,
entretanto,arrastadas
pelo Mar, pela Vida epela insidiosa Pergunta:
QUANDO?

Sintonia do imaginário

A bloggess pediu que a ajudassem a colorir este desenho e que lhe enviassem o resultado. É relaxante. Gastei duas horas e nem dei pelo tempo passar. Bem sei que não está perfeito, mas é um trabalho moroso e de muita paciência. Além do mais, não usei qualquer critério na escolha das cores.Acho que expressei uma explosão de criatividade imaginária. Já quanto à qualidade, temo ter arruinado, um pouco, o desenho da Jenny. Ups. Sorry, Jenny.

Isto

Dizem que finjo ou minto
Tudo que escrevo. Não.
Eu simplesmente sinto
Com a imaginação.
Não uso o coração.

Tudo o que sonho ou passo,
O que me falha ou finda,
É como que um terraço
Sobre outra coisa ainda.
Essa coisa é que é linda.

Por isso escrevo em meio
Do que não está ao pé,
Livre do meu enleio,
Sério do que não é.
Sentir? Sinta quem lê!


Fernando Pessoa, em "Mensagem".

Línguas-de-gato | Mixórdia de palhaçadas # 7

Hoje, foi dia de aniversário. A minha dona levou os filhos para uma festa. Houve brincadeiras, uma Pinhata, música e doces. Eu fiqueiem casa e esperei que regressassem. Depois, quando vieram, tentei pôr a pata auma goma divertida e escorregadia, em forma de minhoca. Daí a um bocado, ouvi o jornalista a falar na televisão. Não sei se percebi bem, pois ainda estava entretido com a minhoca, que era difícil de apanhar. Ao que parece já não se devem usar palhaços nas festas? Acho que há um certo mal-estar generalizado,nos Estados Unidos da América, na Austrália, no Canadá, ou até no Brasil. E dizem que é uma moda que está a gerar polémica! Percebi que as pessoas decidem disfarçar-se de palhaços assassinos, sair à rua, durante a noite, e que depois vão a correr atrás das pessoas que passam. Também há relatos de serem utilizadas facas para assustarem crianças! Acho que não entendi bem. O raio da minhoca distraiu-me um bocado e, quando consegui pô-la na boca, tive de cuspir porque sabia muito mal. O meu paladar felino não se habitou a este tipo de mixórdias. Ah, lembrei-me agora. Estava outra senhora a dizer que “onde é que anda o nosso país, onde é que anda a nossa cultura, onde é que anda os nossos ouvidos, onde é que anda a nossa visão, onde é que anda tudo” eque não quer ouvir “mixórdias musicais”. Bom. Estou um pouco baralhado, se calhar devido ao açúcar da minhoca. Acho que isto refere-se a outro tipo de palhaçadas.Aliás, os palhaços assassinos são perigosos e os países em causa já estão em alerta, até porque se aproxima o Halloween; já em relação às outras palhaçadas, que se tornaram num vírus e que necessitam da vacina contra a gripe D, acho que se tornou no maior disparate musical que ouvi na minha vida. O que é que eu aprendi hoje? Não se metam com palhaços assassinos e, sobretudo, não dêem crédito, não filmem, não passem na televisão, pessoas que, não estando disfarçadas, é como se estivessem. Que mixórdia de palhaçadas!

Pág. 1/2